Como diria Robin, que nada tem a ver com a Marvel: “Por mil aranhas felpudas, Batman”. A primeira coisa que pensei quando saí do cinema foi: o que foi isso que acabei de ver? Não sou um alucinado pelo Homem-Aranha, acho um personagem interessante mas o que Peter Ramsey, Bob Persichetti, Phil Lord e companhia fizeram tanto no roteiro quanto nas variações e técnicas de animação foi muito bom. Não é à toa que “Homem-Aranha no Aranhaverso” está entre os indicados ao Oscar 2019.

Num mercado “saturado” de filmes de heróis que lotam cinemas, levantam polêmicas entre os mais radicais e fazem lucrar os grandes estúdios e distribuidores, “Homem-Aranha no Aranhaverso” surpreende aos espectadores, em seus mais variados tipos. Falamos muito sobre eles no Podcast Pulsar, ouve lá está muito bom.

O primeiro acerto está em dar o protagonismo da história a Miles Morales, um jovem, negro, do Brooklyn, com dilemas estudantis universais típicos da sua idade. Ele é o nosso herói. Sem ser piegas, o filme dá esse lugar de fala com tamanha propriedade que empolga. Além disso, os personagens secundários são extremamente carismáticos e tem momentos onde seus arcos narrativos tem importância e fazem a história evoluir com naturalidade. Outro item, ainda sobre o roteiro, os vilões são mostrados com nuances que nos fazem pensar. Além de possuir um texto com comédia sim, mas sem exageros.

Já na parte técnica, temos um show de animação que mistura 2D, 3D, textura de história em quadrinhos e uma velocidade de imagens por segundo que dá uma espécie de assinatura de estilo para o filme. É como quando vemos um quadro de Van Gogh, não precisamos ler a plaquinha para saber que é dele. Fora a trilha sonora que é um espetáculo a parte.

Para você entender um pouco, compartilho aqui um vídeo com o making-of dessa produção onde Peter Ramsey explica melhor o método de trabalho. Está em inglês mas vale a pena. Eles mostram que “Homem-Aranha no Aranhaverso” é mesmo uma pintura. É um dos meus favoritos ao Oscar por conseguir somar Marvel, Técnicas Diferentes de Animação, Roteiro surpreendente sem ser piega e muita diversão.