Raphael (Ph) Carmo

21 out, 2020

Games

Jogo de ação e terror mistura elementos da série souls e metroidvania

É inegável que a From Software inspirou toda uma geração de jogos com o seu mais novo estilo "souls", e não é estranho que games se inspirem nesses elementos misturando com outros. Vigil: The Longest Night, desenvolvido pela Glass Heart Games e lançado pela Another Indie pega esses elementos e mistura com outro gênero bem famoso: o Metroidvania.

Do que se trata Vigil: The Longest Night

vigil longest night screenshot

Reprodução

No jogo, você controla uma caçadora de monstros que precisa investigar os mistérios e as criaturas que rondam sua vila. A narrativa do jogo possui uma forte influência de elementos lovecraftianos e vai sendo contada aos poucos.

A história apresenta pequenas falhas. A narrativa é meio confusa e misteriosa demais propositalmente. Nada contra um mistério aqui e acolá, mas a falta de informação sobre o mundo, situações e personagens acaba fazendo com que você não se importe muito com o que está acontecendo ali. Não que ela seja totalmente desinteressante, dá até uma vontade de desvendar as histórias e ver o que está por trás desse mal que ronda a pequena cidade.

Combate soulslike, mas não muito

O combate do jogo é vendido como um soulslike mas fica uma sensação de que ele parou na metade e não conseguiu representar bem esse estilo. Você possui uma barra de vigor e os inimigos causam muito dano, mas não é apenas isso que faz um bom combate.

Os movimentos são um pouco truncados e algumas coisas são um pouco desbalanceadas. Apesar disso, o jogo oferece uma boa variedade de armas, com estilos de jogabilidade diferentes, além de habilidades que são desbloqueadas e deixam as lutas mais interessantes. O arco, por exemplo, é facilmente a arma mais poderosa do jogo, pois possui munição infinita e os inimigos são burros o suficiente para ficar apanhando de longe.

vigil longest night screenshot

Reprodução.

Vigil: The Longest Night não traz uma dificuldade exagerada, apesar de eu achar que o jogo buscou isso. Esquivar dos inimigos é fácil e gratificante, onde estes, normalmente, não apresentam muita resistência e o combate não sendo muito divertido, em geral. Os chefes são um desafio maior, oferecendo mais resistência, e são as partes mais divertidas do jogo, sempre apresentando músicas épicas e um criativo design de monstros.

Por falar em arte e música, é nesses pontos que Vigil: The Longest Night chama a atenção. O clima de terror é bem presente em todo o estilo de jogo, misturando 2D com 3D, gerando um ambiente bem imersivo. A trilha que pende do horror para o épico também ajuda a deixar os combates e momentos de exploração mais interessantes. Os menus, por se inspirarem até demais nos jogos da série souls, acabam sendo um pouco confusos.

É muito fácil se perder no mapa do jogo, que faz ligações que não fazem muito sentido e não oferecem waypoints para o jogador. Mas aqueles que curtem exploração vão de deliciar com o ótimo level design que premia os jogadores que tentam buscar caminhos fora do óbvio.

vigil longest night screenshot

Veredito

Vigil: The Longest Night apresenta uma ambientação interessante e consegue entregar um sistema de combate decente. Apesar de uma arte que chama atenção, ela poderia ser um pouco mais inspirada. O jogo carece de polimento, como nas animações de combate, em alguns erros de português na versão brasileira e no próprio sistema do jogo, pois meu save com 9 horas de jogo simplesmente sumiu... espero que esse último seja consertado agora no lançamento do jogo. Por ser um jogo de empresa pequena, podemos relevar esses pequenos problemas.

Deixe um comentário