Animação Adulta traz besteirol e mensagens importantes

Em um ano em que o conservadorismo e intolerância parecem tomar conta do Brasil, a Netflix lança sua primeira animação 100% brasileira: Super Drags. A animação adulta traz um humor escrachado com muito besteirol mas também mensagens importantes. Confira nossa crítica sem spoilers.

Super Drags conta a história de Patrick, Ralph e Donizete, três gays que trabalham num shopping pela manhã mas que também se transformam em suas versões Drag Queens para lutar contra o mal e homofobia. As aventuras de Lemon Chiffron, Safyra Cyan e Scarlet Carmesin incluem enfrentamentos com drags do mal e extremistas religiosos.

Alvo de muita controvérsia e reclamação, a série aparece em um momento sensível no Brasil. No ano passado até tentaram cancelar a série mas felizmente isso não aconteceu. Isso deve ter influenciado o marketing da Netflix, pois eles foram bem incisivos na mensagem que a série animada não era para crianças.

Acredito que a melhor qualidade do desenho é conseguir fazer um humor escrachado com piadas adultas e muita menção a sexo, mas também consegue trazer temas sérios a serem discutidos como homofobia, padrões de beleza e preconceito. Os roteiros não tem nada de extraordinário mas conseguem misturar essas piadas do universo LGBT e também de coisas do Brasil com esses temas importantes a serem discutidos. É uma pena que as pessoas que mais deveriam ver essas mensagens não vão assistir o desenho.

A obra é cheia de piadas de duplo sentido tanto textuais como visuais, eu acho que nunca vi tantos pênis subliminares em um desenho antes. Toma essa Disney. A ótima dublagem também traz diversos memes, dialetos de militância e “pajubás” no meio dos textos muitas vezea com sacadas bem inteligentes. Acredito que a minha coisa favorita é a religião criada, para não criar ainda mais treta com os conservadores, os roteiristas criaram uma religião fictícia que adora os dinossauros e condena a homossexualidade, é lógico que é uma paródia do cristianismo, mas muito bem colocado. Por falar em dublagem, a Netflix inteligente como é, colocou diversas drags de Ru Paul’s para dublar a versão americana, justamente para pegar esse público. A versão brasileira traz Pablo Vittar fazendo a personagem Goldiva, e me surpreendeu até.

Em termos de desenho e qualidade de animação, não tenho nada a reclamar. As animações estão fluidas e o traço bem cartunesco e quadradão faz sentido com o humor da série, lembrando muito desenhos como Meninas Super Poderosas e Padrinhos Mágicos. A trilha sonora também está de parabéns, desde a música tema, para os incidentais no meio do episódio e alguns números musicais específicos.

Super Drags é aquele tipo de trabalho que dá um orgulho de ser brasileiro, mesmo no período que estamos agora. A qualidade da animação é ótima e o desenho consegue trazer comédia, ação e mensagens importantes nos seus curtos 5 episódios. Não sei como ficou a localização lá fora pois tem muitas piadas que só brasileiro entende, então espero que esteja fazendo sucesso pois é uma obra divertida e importante.  Que venha a segunda temporada!

Comentários