A Editora AVEC lança o 2° Volume dos Contos do cão negro, em uma aventura cheia desafios para Anrath, expandindo assim o universo criado por Cesár Álcazar

Um ano após os eventos apresentados em O Coração do Cão Negro (leia nossa crítica), onde Anrath, o guerreiro irlandês criado pelos povos Vikings, derrotou o guerreiro Ild Vurr, voltamos a desbravar esse universo criado em 2009 por Cesár Álcazar. Nesta nova aventura, nosso herói caído não está mais sozinho, ao seu lado estão Aella, uma guerreira escudeira e o Gigante Saxão Rorik. São eles os principais membros que fazem parte da tribulação do Dracar Ormen, a embarcação liderada pelo Cão Negro Anrath.

O grupo é contrato por Murrough de Ulaid, para uma missão de resgate, levando o Dracar até o litoral da Islândia. Uma aventura extremamente fincada na realidade, em uma missão bem humana e longe do sobrenatural, mas é ai que nos enganamos.

O roteiro de Álcazar, é muito fincado em pesquisa histórica, e uma primorosa pesquisa, localizando todos os pontos onde devem estar. E lembrando que a navegação era muito utilizada pelos povos escandinavos, cultura essa que nosso protagonista aprendeu desde sua tenra infância.

Eis que, o que seria uma missão rápida e simples, acaba por trazer complicações para Anrath, que percebe que tem estado sozinho por muito tempo, e sempre vai ser caçado por inimigos de seu passado e que o amor, há muito lhe renegado, poderia estar ao alcance das mãos, sendo um acalanto nessa vida aguerrida ou uma perdição, se esse amor for apenas um ardil de um ser mais antigo que o tempo.

O que começa com uma história bem fincada em conceitos mais reais, problemáticas mais palpáveis e segue uma narrativa de perseguição onde o Cão Negro precisa fugir de um antigo inimigo, acaba por fim nos apresentando um ser mitológico e cheia de belezas ardilosas e falsas promessas para o cansado guerreiro, promessas essas vindas da boca da sedutora Ciara, que traz paz, amor e música ao cansado e solitário Anrath, mas a um preço alto demais a ser pago.

Neste segundo conto, Cesár Álcazar continua a expandir as aventuras desse guerreiro caído, que tanto já perdeu e pelo visto, a vida não será fácil para o mercenário. E uma das coisas que percebemos nesta segunda aventura, é que os roteiros estão mais soltos das amarras tradicionais, brincando com conceitos de passado e presente e nos apresentando uma narrativa mais livre, mas que só faz agregar com o que já sabemos do personagem.

O ilustrador gaúcho Fred Rubim (Le Chavalier: Arquivos Secretos) volta a assumir a arte nesta segunda aventura, mostrando o quanto conhece o personagem e o mundo que se passa os Contos do Cão Negro. Seu traço que me agrada demais, por me remeter a um dos meus desenhistas favoritos, que é o Mike Mignola, está mais fluido que na primeira edição, e suas montagens de câmera e ação em cada quadro sequencial, me traz uma fluidez cinematográfica e viva.

A segunda incursão minha no universo de Anrath, já que infelizmente não tive a oportunidade de conhecer as edições em prosa, me foi extremamente positiva e cheia de esperanças que mais contos sejam publicados.

O trabalho da AVEC Editora é primoroso, não apenas graficamente e editorialmente, afinal, é perceptível o amor e o esmero na parte editorial, mas ainda mais louvável é a coragem em trazer novas histórias e novos autores, ao sair do mainstream das HQS de Super-heróis e mostrar ao mercado grandes narrativas que devem ser conhecidas por todos.

Dados Técnicos

Formato: 21x28cm

Páginas: 64 páginas coloridas

Papel: Couché fosco 170g

Capa: Supremo cartão 300g Prolan brilho

Editor: Arthur Vecchi

Diagramação: Vitor Coelho

Patrocinado

Comentários