Supergirl: a calmaria após a tempestade

410

A vida de Kara Danvers (Melissa Benoist) não foi das mais fácies durante a primeira temporada de Supergirl. E mesmo depois de tudo que passou, ela ainda tinha um enorme desafio pela frente: ter sua série renovada para a segunda temporada. A CBS, emissora que exibe a série, não estava muito inclinada a continuar pagando as altas cifras necessárias para produzir os episódios. Mesmo que os executivos garantissem que todas as atrações seriam renovadas, não era algo pelo qual alguém colocaria a mão no fogo. Segundo informações do Deadline, uma das estratégias para cortar gastos consistia em uma mudança de países. As aventuras da prima do Superman ERAM (foca no eram) filmadas em Los Angeles, o que naturalmente já aumentava os custos. O plano principal da Warner Television era que a produção mudasse para Vancouver, no Canadá, cidade conhecida por seus atraentes incentivos fiscais. É lá que são filmadas Arrow, The Flash e Legends of Tomorrow. Séries produzidas por Greg Berlanti, que também cuida de Supergirl.

Só que a estratégia foi pro espaço, novamente por ter dinheiro envolvido. A CBS teria que pagar uma taxa para realizar a mudança, o que naturalmente foi recusado. Quem quer economizar não paga taxas extras. O plano B era uma mudança de canal. O The CW não entrou na disputa para exibir Supergirl quando a negociação com as emissoras começou. E para corrigir um erro, de acordo com palavras do presidente Mark Pedowitz, o canal mostrou interesse em assumir essa responsabilidade. Eis que hoje (12/05) a boa notícia finalmente foi dada. Supergirl terá uma segunda temporada, mas agora em um novo lar. E olha, o futuro pode ser bem mais radiante para a jovem Kara.

Na CBS a audiência de Supergirl não era das melhores. Mesmo que o episódio de estreia tenha sido assistido por 13 milhões de pessoas, os números sofreram uma queda com o passar do tempo. Acontece que o crossover entre ela e o Flash fez com que a média de audiência crescesse em torno de 30%. Juntar a Garota de Aço e o Velocista Escarlate, de dois canais diferentes na época, foi um sucesso. Agora imagine o que pode ser conquistado colocando o Arqueiro Verde nessa mistura.

Aparentemente não foi uma negociação cercada de problemas. Afinal o The CW é como um filho da parceria entre a Warner e a própria CBS. Claro que a questão monetária vai entrar novamente em debate. Na sua antiga casa, juntando produção, efeitos especiais e licenciamento de personagens, Supergirl custava cerca de 3 milhões de Obamas por episódio. Números que fogem da realidade do seu novo lar. Sendo assim podemos esperar episódios com menos “extravagância visual”, nada que já não tenhamos visto em outras produções.

Mesmo com seus defeitos, Supergirl é uma série importante. Com a questão da representatividade tão em alta, as mulheres merecem cada vez mais oportunidades para mostrarem o quanto podem se destacar na cultura pop.

P.S. Peggy Carter não teve a mesma sorte de ter sua série renovada. R.I.P Agent Carter 🙁

Publicidade