Game of Thrones finalmente retornou. No último domingo (24) o mundo estava com os olhos voltados para a HBO (e até o Cinemax), aguardando o que o primeiro episódio da sexta temporada, intitulado The Red Woman, iria entregar. Como é do conhecimento geral, a série ultrapassou os livros escritos por George R.R. Martin (que deve estar procrastinando nesse momento) e entrou em água desconhecidas, especialmente pelos fãs. Tudo que vamos acompanhar será uma grande descoberta, mesmo que ainda seja possível traçar alguns paralelos com o material escrito. É como uma mistura de curiosidade e receio que invade a mente dos espectadores. Mas tomando apenas esse episódio como base, é difícil não ficar com um gosto amargo na boca.

Para começar, Jon Snow está morto. Exato, sem rodeios, cravando essa adaga fundo no seu coração. Quem esperava que o personagem retornasse triunfante nesse episódio, pode tirar o cavalo da nevasca. Claro que não é algo definitivo, tendo em vista as possibilidades que podem fazer com que ele retorne do mundo dos mortos. As coisas na Muralha não estão indo bem e o clima tende a piorar com a presença de Sir Davos e Melisandre entre os patrulheiros da noite. E se as apostas estiverem corretas, a morte de Jon não vai passar impune. Foi certamente um dos melhores núcleos do episódio. Tão bom que ganhou destaque na última cena, garantindo mais um milhão de dúvidas e teorias para os fãs debaterem.

Ainda no Norte, a batalha entre Stannis e Ramsay Bolton continua gerando desdobramentos. Sansa e Theon não conseguiram ir muito longe antes de serem alcançados pelos guardas. Sorte deles que Brienne e Podrick surgiram para salvar o dia. Depois de falhar com Arya, é bonito presenciar o juramento de fidelidade entre Sansa e Brienne. O que faz com que a missão dela alcance um novo nível. Agora resta saber que rumo o grupo vai tomar. Como a morte de Jon Snow ainda é recente, eles imaginam que ele ainda é o Lorde Comandante da Patrulha da Noite e podem pedir auxílio na Muralha. Outro caminho possível é o Ninho da Águia, lugar onde Sansa possui certo prestígio. Mindinho também pode dar as caras, o que acrescentaria uma dose maior de tensão nisso tudo. É fato que o Norte não costuma decepcionar.

160212_game_of_thrones_2

O problema mesmo se dividiu entre os núcleos mostrados durante o episódio. Dois dos melhores personagens da série encontram-se atualmente em Meereen: Tyrion e Varys. Depois do ataque dos Filhos da Harpia e da fuga de Daenerys, as coisas perderam um pouco do brilho. O trailer do próximo episódio mostra Tyrion colocando o que parece ser um plano arriscado em prática. É fato que algo precisa acontecer para que o potencial dos dois não seja desperdiçado em uma cidade prestes a ruir. Já a Mãe dos Dragões continua sua sina longe dos muros de Meereen. E as coisas podem correr pior do que ela imaginava. Daenerys vai precisar ter jogo de cintura para passar por tudo isso, já que todos aqueles títulos atribuídos ao seu nome não tem valor algum no momento.

King’s Landing é um núcleo dividido entre a realeza e a Fé dos Sete, tendo o Alto Pardal como líder. Na quinta temporada Margaery, Loras e Cersei sofreram nas mãos dos devotos. Agora os frutos dessa ação serão colhidos. Como os trailers da temporada já prometiam, um embate se aproxima. O que incomoda é o efeito sanfona na evolução de Jaime. Desde a fatídica cena diante do cadáver de Joffrey, o personagem parecia estar mudando. Mas em seu retorno ele volta a usar o discurso de “nós dois contra o mundo” ao se reencontrar com Cersei. Claro que a morte de Myrcella foi sentida e serviu como motivação para esse “juramento”. O que não pode acontecer é que ele passe o resto do tempo acorrentado a isso. É necessário evoluir.

gallery-1459843040-peter-dinklage-conleth-hill-tyrion-lannister-varys

Aliás, a morte de Myrcella nos leva para uma das maiores decepções de Game of Thrones: o núcleo de Dorne. Se compararmos com os livros, a raiva é ainda maior. Mas focando apenas na série, fica claro que os produtores não ligam muito para a Casa Martell. Oberyn está entre os melhores personagens que já caminhou pela série, mas seu país não consegue cativar. E o cenário é ainda mais sombrio agora que a família real foi dizimada. No momento não é possível imaginar futuro para Dorne. Resta esperar que alguma reviravolta mirabolante esteja guardada para os próximos episódios.

The Red Woman é um episódio com um ritmo diferente, mais focado em dar algumas respostas sobre os eventos do último episódio da quinta temporada. Mas que ainda consegue plantar sementes para o restante da temporada. Claro que ainda existe muito mais a ser explorado, além da aparição de novos e antigos rostos. Esses incômodos não devem ser alarmantes sobre o futuro de Game of Thrones. Mas não dá para fugir do fato de que a sexta temporada vai precisar mostrar seu valor o quanto antes.

Continue ligado no CosmoNerd para mais novidades e análises da cultura pop, geek e nerd. Diariamente publicamos conteúdo em áudio, vídeo e texto sobre filmes, séries, quadrinhos, livros e games.