anthony-fleming-jp-gibbs-power-book-iv-force
Séries

Falamos com Anthony Fleming III, estrela de Power Book IV: Force

"A arte tende a imitar a vida. Então, foi um desafio e foi maravilhoso interpretar um personagem com tantas camadas."

Evelyn Batista Silva

18 mar, 2022

Power Book está de volta com mais uma spin-off, desta vez seguindo Tommy Egan em sua nova jornada pelas ruas de Chicago, enquanto tenta desvendar partes do seu passado e organizar o melhor caminho para o seu futuro. Em Power Book IV: Force, Tommy Egan está apenas de passagem por Chicago, com o intuito de entender mais sobre o seu passado, e é recebido por uma segregação de gangues que não conseguem negociar entre si e espaço para o controle do tráfico. Ao descobrir um irmão, JP Gibbs, Tommy decide que Chicago é o local perfeito para buscar relações familiares e conquistar toda a grana que o local permitir.

Confirmado com oito episódios, o spin-off começou a ser lançado no streaming Starzplay no dia 6 de fevereiro, e até agora conta com 5 episódios na plataforma. Para a alegria dos fãs desse universo, a segunda temporada já foi confirmada, e, com isso, tivemos a oportunidade maravilhosa de bater um breve papo com um dos atores da série, Anthony Fleming III, que interpreta JP Gibbs, o meio irmão de Tommy Egan.

O que o instigou a fazer parte do Universo Power?

Anthony: Eles me pediram para participar. Não é algo que você possa dizer não. Tive a oportunidade de fazer audições. Sou amigo do Joseph Sikora há muitos anos, ele me ligou e disse que havia um papel que seria perfeito para mim. Então me joguei, fiz sete ou mais audições via Zoom - estávamos em um período da pandemia que não permitia encontros presenciais. Para a minha sorte, eles me escolheram para ser JP Gibbs. E tem sido uma experiência incrível.

Seu personagem possui diversas camadas. Ele foi criado apenas pelo pai, em um bairro não tão seguro, casou com uma mulher, teve um filho, e então se assumiu como um homem gay. Como foi se preparar para esse personagem?

Anthony: Foi um desafio, mas, ao mesmo tempo, foi muito gratificante. Existem alguns paralelos entre nós dois, então quando você está se preparando para um papel como esse, tem que encarar algumas coisas sobre si que podem ser difíceis, pois ressoam em você de um jeito… A arte tende a imitar a vida. Então, foi um desafio e foi maravilhoso interpretar um personagem com tantas camadas, tão complexo, incompleto e falho - tudo ao mesmo tempo -, e que também procura essa conexão familiar como o Tommy, sem ter crescido com a mãe e ainda perdendo o filho quando se assumiu gay para a esposa. Seu filho foi tirado dele, então ele sentiu a dor disso, de crescer sem um dos pais e agora seu filho está crescendo sem um dos pais. Quando esse ciclo se repete, isso pesa para JP. Ele também é um artista, ama Jazz e eu amo Jazz, é o meu tipo de música favorito. Foi fantástico poder me aprofundar no Jazz e encontrar partes nele para nos conectar e inspirar.

Há pouco tempo recebemos a maravilhosa notícia de que a série foi renovada para uma segunda temporada. O que você pode dizer sobre o desenvolvimento que o seu personagem terá até o final dessa primeira, e na segunda?

Anthony: Acho que, pelo resto dessa temporada, podemos esperar mais dessa relação entre JP e Tommy, da história deles e dessa família em Chicago se desenrolar. O que eu amo sobre as cenas entre os dois é que parece que eles estão em outra frequência, eles têm uma vibe diferente. Vemos o Tommy de uma maneira diferente, como nunca vimos antes, enquanto ele descobre coisas do passado dele, sobre coisas que ele não fazia ideia. Acho que vamos continuar a fazer isso, e também acho que JP definitivamente irá começar a participar mais do mundo de Tommy. Tommy terá que decidir sobre o quão próximo deixará JP chegar, e, se ele for deixá-lo perto, terá alguém para se apoiar. Indo para a segunda temporada, teremos que ver se JP e DMac irão formar algum tipo de conexão, tem muito o que desenrolar entre os dois. Se pensar nisso, DMac é o sobrinho do Tommy. A família do Tommy está crescendo em Chicago, então acho que vai ser muito interessante ver o desenvolvimento dele nessa nova cidade com essa nova família, conduzindo as coisas como ele quer.

Como alguém com irmãos, posso dizer que são relacionamentos difíceis. Gostamos uns dos outros, mas é impossível não ter brigas. Você acha que no relacionamento entre Tommy e JP existe algo que poderia quebrar essa ligação ou isso a tornaria mais forte?

Anthony: Essa é uma pergunta difícil, porque vemos o histórico do Tommy com sua família, o histórico dele com pessoas próximas e muitas vezes as coisas dão certo para essas pessoas. Ele já experienciou muitas perdas, algumas foram pelas suas mãos, então é difícil dizer se eles seriam capazes de se resolverem, já que sabemos como Tommy costuma lidar com as coisas. Pode ser que seja diferente, já que esse relacionamento é diferente para Tommy, eu percebi isso, então pode ser que dê certo. Essa pessoa pode ser a pessoa. Aquela pessoa que ele não irá perder, que ficará em sua vida, que só quer ser o irmão, nada mais, só quer ser família.

Com a aproximação dos dois irmãos, que foram criados de maneiras completamente diferentes, você acha que se tivesse um momento em que fosse necessário, JP levaria um tiro pelo Tommy? E no que isso mudaria em todos os seus relacionamentos?

Anthony: Definitivamente, tem muita coisa em jogo. Tommy se arrisca muito pelo JP e por DMac, trazendo o JP para aquela vida do tráfico. Ele precisa considerar muita coisa. Ele vai trazer o JP para perto ou vai afastá-lo? Qual é o melhor caminho a seguir para mantê-lo seguro? Acho que essa é uma decisão que Tommy terá que fazer logo. E com o DMac, sendo o filho do JP, sendo o responsável pelo tiroteio do clube e estar ligado ao CBI, tem muita coisa a levar em consideração em relação à família. Não é preto no branco, porque família, como você disse, é muito complicada, especialmente quando se fala em dinheiro e trabalhar junta. As coisas ficam complicadas. E essa coisa em que o Tommy está envolvido é vida ou morte, não é como se ele fosse um contador. O preço é muito alto. Tem sempre alguém atrás dele. E ele sempre tem que ponderar e reagir rapidamente, então será que JP vai conseguir acompanhar? O Tommy vai permitir que o JP siga com ele? Porque tem muita coisa em jogo.

Você pode acompanhar a série Power Book IV: Force pela Starzplay, que está lançando os episódios aos domingos. E enquanto espera pela segunda temporada, você pode conhecer mais do universo Power e maratonar tudo pelo streaming.

Deixe um comentário