Raphael (Ph) Carmo

16 set, 2015

Séries

Vou confessar que eu não conhecia a história de Pablo Escobar, já tinha ouvi falar do nome mas não fazia ideia de quem ele foi. Mas quando fiquei sabendo que o Sr. Netflix ia lançar uma série protagonizada por Wagner Moura e com a produção e direção de José Padilha (dobradinha Tropa de Elite), tive certeza que seria fantástica. Netflix já é quase certeza de qualidade, ainda mais com esses dois...a expectativa ficou alta.

Sinopse

Narcos é uma Série do Netflix, com 1 temporada de 10 episódios (a segunda já foi confirmada), que conta sua história por dois pontos de vista. Em um deles vemos Pablo Escobar (Moura), um traficante pequeno que acaba virando um chefão do crime sendo um dos primeiros e principais grandes traficantes de cocaína nos anos 70. No outro vemos Murphy (Boyd Holbrook), um policial do DEA de Miami que acaba viajando para a Colômbia para atingir a guerra contra o tráfico onde ela começa. A guerra de Murphy contra Escobar ainda possui diversos participantes como o governo da Colômbia, o exército dos Estados Unidos, Grupos Comunistas e até a CIA. Tudo isso contado misturando fatos reais históricos e personagens e mini histórias fictícias.

Direção e Roteiro

Os dois primeiros episódios são dirigidos por Padilha, e isso fica bem claro com o uso da narrativa em primeira pessoa e câmera de mão enérgica percorrendo por cenários urbanos, parece que estamos vendo mais um Tropa de Elite. Há quem diga que a narração em primeira pessoa é uma ferramenta de narrativa pobre, mas acredito que Padilha é um dos poucos que consegue utilizar dela de forma interessante, seguindo a escola Scrosese. Padilha é tão feliz em seu início da série que todo o resto da temporada é inspirado em sua direção ( é fácil acreditar que ele esteve bem próximo da produção por ser um dos protudores executivos).

Os outros diretores não deixam Padilha na mão, todos os episódios tem uma direção precisa e visceral. A violência é um traço que sempre está presente na série, e é mostrado de forma crua e sem muito glamour, bem como o sexo e nudez. A tortura é comum em vários momentos, principalmente por parte dos “bonzinhos”. Não é uma série para os fracos de coração.

A câmera de mão usada por Padilha é repetida em diversos momentos durante a série, nos oferecendo alguns pequenos planos sequência bem gostosos de assistir em momentos de tensão e ação. Nos entregando cenas bem tensas e realistas.

Para mim, a grande sacada de Narcos é utilizar essa história real (em alguns momentos surreal) para ser o fio condutor da narrativa. É um conto “history driven” sem dúvida, ou seja, é uma história que foca principalmente no que aconteceu e não muito nos personagens. E a ideia de usar fotos, vídeos e outros arquivos reais da época é genial. Existe até uma mistura de fotos das personalidades reais junto com os atores que dá uma certa estranheza, mas é uma estranheza interessantíssima, dando um ar de documentário à obra que conta como foi formado o Famoso Cartel de Medellin e como foi a guerra contra o mesmo.

Apesar de ser uma história contínua, cada episódio é focado em algum acontecimento importante na guerra contra Escobar. Na minha opinião, é uma ótima forma de organizar a história, que possui diversos acontecimentos e diversos personagens. Outra organização que eles fazem é mudando arcos de história dentre os 10 episódios da temporada. Em alguns momentos, alguns personagens que entraram no meio da trama acabam virando até protagonistas, e ótimos protagonistas diga-se de passagem.

Personagens

Fica claro que Escobar é o principal personagem da obra, com Wagner Moura entregando, como sempre, uma ótima atuação e carregando a série nas costas. Escobar é tratado como um inimigo inalcanável, onipotente e onipresente, sem dúvida um dos melhores vilões da TV.Ele é megalomaníaco e inconstante em diversos momentos, mas altruísta e calmo em outros, um homem de família. A série tenta dar uma humanidade ao personagem mas não faz isso muito bem na minha opinião, é bem difícil para mim me identificar com Escobar ou entender direito suas motivações, mas vou falar mais disso mais embaixo.

Já o Agente Murphy, vivido por Boyd Hollbrook é nossos olhos na obra. Ele é o herói americano clássico que vai para um mundo que não conhece atrás de justiça. Infelizmente seu personagem é raso e fraco inicialmente, mas tendo uma tridimensionalidade mais interessante nos últimos episódios.

Outro personagem interessante é Javier Peña com uma atuação bem justa por Pedro Pascal (famoso por fazer a Víbora Vermelha em Game of Thrones). Havier é o parceiro de Boyd, que faz o clichê do policial mais experiente, que já luta com o tráfico na Colômbia desde cedo. Mas meu personagem preferido só aparece no meio da série e até toma seu protagonismo em alguns momentos, é o Presidente César Garviria, um personagem que passa por decisões difíceis durante a temporada. Ele aparece pouco mas é bem desenvolvido.

Infelizmente, em tempos de discussão de representatividade feminina, as mulheres da série são muito mal representadas. Somente como as mulheres dos personagens principais, que estão lá para chorar com medo de seus homens, ou como prostitutas que sofrem violência sexual. As poucas mulheres que têm certo protagonismo na obra são logo descartadas ou transformadas em damas para serem salvas, a mais importante é sem dúvida a Embaixadora dos Estados Unidos, mas ela aparece bem pouco. Infelizmente como a série é baseada em fatos reais, provavelmente as mulheres não tiveram uma importância tão grande na história mas poderiam ter sido feitas algumas concessões.

Pontos Fracos

Narcos é uma ótima série, com certeza deve ser vista, mas possui algumas falhas que me deixaram incomodado. A principal delas é que a construção de personagens é bem falha. O personagem principal “bonzinho” é fraco e tem motivações muito superficiais, tanto que em alguns momentos ficamos nos perguntando porque ele continua com aquilo tudo. Até Escobar, que é um personagem bem peculiar, é meio mal desenvolvido. Suas ações extremas não fazem muito sentido porque não entendemos muito bem suas motivações, e acredito que isso não pode ser considerado loucura, pois em muitos momentos ele é bem lúcido e inteligente.

Outra falha é o protagonismo americano, sendo colocado como os bonzinhos da história e levantado em muitos poucos momentos a problemática do governo dos EUA influenciando repúblicas das Américas para lutar contra o “comunismo” durante a Guerra Fria. Isso é muito descarado na série mas não muito discutido. Dessa forma o espectador menos informado vai achar que eles realmente eram aqueles caras bonzinhos que estavam ali querendo somente ajudar. Vale lembrar que eles também influeciaram bastante nosso governo durante o período de JK e de Ditadura Militar.

Veredicto

Narcos é uma ótima série policial que pega o melhor de Scarface e Tropa de Elite e mistura tudo, com uma trama que envolve não só investigação e crime, mas também espionagem internacional. Os personagens poderiam ser melhor desenvolvidos mas a série serve como um ótimo documento histórico, misturando realidade e ficção de uma forma bem interessante, gerando cenas violentas e tensas muito bem orquestradas.

 

Deixe um comentário