Lucifer – Primeira Temporada | REVIEW

0

O texto a seguir contém SPOILERS da primeira temporada de Lucifer!

Lucifer é um cara bacana, daqueles que você tem vontade jogar algumas horas de conversa fora enquanto saboreia uma bom whisky. Isso fica evidente após o término da ótima primeira temporada da série estrelada pelo personagem criado por Neil Gaiman. Mesmo que não seja essencialmente idêntico ao que conhecemos em Sandman e posteriormente em sua HQ homônima, o Lucifer da série consegue criar um charme próprio e é isso que torna suas aventuras tão viciantes.

Para poder mesmo se divertir com a série, é preciso deixar os quadrinhos de lado. Mesmo essa sendo uma expressão que não costuma agradar os fãs, é uma das principais chaves para apreciar o que a produção tem a oferecer. Ao longo dos 13 episódios vamos entendendo o real motivo pelo qual Lucifer abandonou o inferno e veio tirar uma férias em Los Angeles. O estilo procedural pode afastar quem já está saturado com tantas outras produções do gênero. Ainda mais quando vemos o anjo caído ajudando a polícia a solucionar o crime do dia. Mas as coisas não são tão simplórias assim. Quer dizer, em algum momento a sensação de repetição e de que a trama não está saindo do lugar pode ser sentida, mas os outros acertos acabam compensando.

Um deles é o relacionamento entre Lucifer e a detetive Chloe Decker (Lauren German). Ela funciona como um oposto as ações dele, algo como o lado humano do diabo. Além de ser a sua principal vulnerabilidade, literalmente. Ela é imune aos seus poderes de persuasão e faz com que Lucifer torne-se mortal, algo que acaba sendo explorado das mais variadas formas ao longo da temporada. Mesmo que na reta final esse mistério tenha ganhado mais importância, a grande verdade foi guardada para a segunda temporada. Então nada de jogar suas teorias no lixo.

Leia também: Foi mal aí Todo Poderoso, mas até que Lúcifer é um cara bacana!

lucifer_chloe

Os personagens secundários também tem espaço para brilhar, o que acaba resultando em ótimas cenas principalmente quando Lucifer está envolvido. Sua relação conturbada com o irmão, suas sessões com a psiquiatra, a maneira como ele enxerga a humanidade e principalmente como encara Deus. Tudo isso vai construindo a personalidade do personagem principal. Mas é correto afirmar que nada disso funcionaria sem o carisma de Tom Ellis. O ator não vive apenas o protagonista, ele é a alma da série.

Com uma atuação precisa, Tom entrega um Lucifer misterioso, sarcástico, prepotente, debochado, narcisista e acima de tudo divertido. Mas além dessas características, existe algo mais complexo. E que só conseguimos enxergar depois que cai a ficha de que não se trata apenas de uma série onde o diabo ajuda uma policial a prender bandidos. Por muitas vezes é inevitável não imaginar um crossover entre Lucifer e Constantine, mesmo que para matar a saudade da finada série do personagem. Tom Ellis e Matt Ryan formariam uma dupla e tanto. Fica aí uma grande dica.

Maze_provokes_Lucifer

Mesmo não tendo os grandiosos debates filosóficos dos quadrinhos, a série tem seus momentos de reflexão. Questões religiosas também são abordadas, mesmo que de uma forma leve. Um pouco mais de misticismo fez falta, mas pode ser algo melhor utilizado na segunda temporada. Com um orçamento claramente apertado, os efeitos especiais raramente foram utilizados. O que não chega a comprometer o andamento da produção. Claro que existem algumas inconstâncias no roteiro, além do vilão da temporada não ser nem um pouco convincente. Mas para uma série que parecia desacreditada por muitos, o resultado é satisfatório.

Agora que a Fox percebeu do que Lucifer realmente é capaz, fica a esperança que a segunda temporada receba ainda mais investimento. Afinal, mesmo que ele seja gente fina, nunca é bom deixar o diabo irritado.

Obs: A mãe do Lucifer deve ser barra pesada…