Game of Thrones s06e04 (Book of the Stranger) | Review

402
Sansa abraçada a Jon Snow

Se você piscar durante os novos episódios de Game of Thrones, vai perder muita coisa importante. Porque, cara, como essa temporada está voando! Vamos logo ao Review antes que a série acabe!

Começamos seguindo o padrão da temporada, na Muralha. Logo de cara temos uma linda emocionante cena do reencontro de Sansa e Jon, GoT raramente nos faz sorrir, mas quando o faz é de forma magistral. É tão bom ver esses personagens se reencontrado e se tocando que não tem mais nada no mundo além deles mesmos. Jon e Sansa nunca foram muito apegados, mas agora eles não tem mais escolha, precisam se ajudar. A melhor coisa dessa cena é que Sansa finalmente está tomando alguma decisão e decidindo lutar, era a motivação que Jon precisava, foi tocante o momento em que ele fala “Tudo que fiz na vida foi lutar, mas no final eu perdi”. Basicamente a jornada de todos os Starks da série até o momento. Mais a frente no episódio, temos a carta do bastardo e finalmente o chamado de Ramsey para a porrada com Jon, essa era a gota d’água que faltava para ele aceitar seu novo destino de se juntar à Sansa nessa nova batalha.

Tyrion numa escadaria com soldados

Em Meereen, outro personagem que andava apagado finalmente ressurgiu das cinzas. Foi ótimo ver Tyrion agindo como um ótimo diplomata que ele é, manipulando todos ao redor. Verme Cinzento ainda não confia nele mas nós sabemos que aquelas intrigas desse lado do oceano não são nada perto dos corredores de Porto Real. Foi chocante ver Tyrion deixando os senhores das cidades praticarem escravidão por mais sete anos, mas é explicado logo depois: “Eu preciso acabar com a escravidão e preciso de paz, não da pra conseguir os dois ao mesmo tempo”. Essa cena teve direito até a referência a Poderoso Chefão, com outra versão da frase sobre manter seus inimigos próximos. Todos nós sabemos que você ouviu isso de Vito Corleone, Tyrion.

Visitando Dosh Kaleen rapidamente vemos os dois cavalheiros ao resgate em uma missão Stealth que quase não dá certo, a cena toda para mostrar a decisão da Daenerys por não escolher o caminho mais certo, como sempre. Mas voltamos para isso no final do review.

O Alto Pardal olhando para baixo

Em Porto Real, temos outra ótima cena, que foi o discurso do incrível ator que representa o Alto Pardal conversando com Margaery. O personagem entrega um discurso muito poderoso com pitadas de comunismo e combate ao consumismo dignos de Tyler Durden. Esse discurso todo vai contra tudo que vemos em Game of Thrones. A grande maioria dos personagens faz de tudo para conseguir poder e luxo, mas no final isso vale a pena? Seria isso uma metáfora para o ataque dos caminhantes brancos que está vindo junto com o inverno? Não tenho certeza, mas deixando o fanatismo religioso de lado, eu to do lado do Alto Pardal, por mim eles podem derrubar os poderosos e dar poder ao povo. Sempre simpatizei com o personagem basicamente por ele ficar contra a Cersei, mas agora estou gostando ainda mais da forma que ele está sendo construído. (Tá, o fato de ser uma revolução baseada em uma religião conservadora é um problema e sou totalmente contra o que fizeram com Loras e Margaery, estou falando aqui da filosofia de dar poder ao povo que tem por trás).

Outro momento importante do núcleo de Porto Real é ver como Cersei está perdendo Tommen aos poucos, ela percebe que ele se importa mais com sua rainha do que com ela e que ele foi manipulado pela fé militante. Fé essa que está se auto-sabotando até, pois vemos Cersei se juntando o pequeno conselho para lutar contra esse inimigo em comum.

Em Pyke, vemos uma poderosa cena com a Yara botando moral em Theon, mas o coitado está tão quebrado que nem consegue falar direito e no final ele diz que vai apoiá-la. Eu imaginei que ele também seria um dos que lutaria pelo trono do pai mas realmente isso faz mais sentido, Theon não tem mais força nem vontade pra isso.  Ele é um homem destruído. Será que algo vai acontecer para que ele volte a ter amor pela vida? Talvez a irmã sofra um golpe ele tenha que tomar seu lugar…veremos.

A morte de Osha pelas mãos de Ramsey era algo tão esperado que não foi nem um pouco chocante. Mas a cena foi interessante, ela morreu lutando com suas armas pelo menos e ainda mandou uma ótima frase: “Você come os homens que escalpela? Então já vi pior”.

Mindinho à frente com soldados atrás

Uma cena rápida mas importante foi o retorno de Mindinho para a série e a demonstração do tamanho poder de manipulação que ele tem sobre o pequeno lorde do Vale. O cara já chega com presentinho porque já sabe como conseguir pessoas importantes pro seu lado. É bom ver que Jon e Sansa terão a ajuda do Vale na batalha que vem por aí.

A silhueta de Daenerys na porta de uma construção completamente em chamas

Para terminar o episódio, voltamos a Dosh Kaleen. Daenerys coloca seu plano em prática em mais uma demonstração de arrogância, só que agora ela fez mais do que falar. A mãe dos dragões mostrou que é a rainha mais badass dos dois continentes e agora tem os Dothraki do seu lado. Uma cena de terror digna de Carrie, a estranha e fazendo referência à cena em que seus dragões nascem, aqui ela que renasce do fogo mais uma vez, mais forte do que nunca.

Gostei muito desse episódio. Nele, três personagens que estavam bem sem graça nessa temporada tiveram ações e grande importância no que vem por aí. Sansa finalmente está tomando as rédeas da sua vida, Tyrion mostrando por que está em Meereen e Daenerys mostrando quem é a mãe da p… toda. Estamos caminhando para uma grande batalha no Norte e isso me empolga muito!