Altered Carbon – 2ª Temporada (Netflix) | Crítica

702
ALTERED CARBON

Altered Carbon passa por várias mudanças, mas consegue manter seu espírito divertido.

Após debutar como uma das grandes apostas da Netflix em 2018, Altered Carbon acabou caindo em um grande limbo até o lançamento da segunda temporada. Nesse meio tempo, vários aspectos foram alterados para contar um novo capítulo dessa história. Alguns funcionam e outros não. No entanto, é perceptível que o nível conseguiu ser mantido. Ainda que as digressões filosóficas nunca alcancem todo seu potencial, a ação continua presente para equilibrar a balança.

30 anos após os eventos da primeira temporada, Takeshi Kovacs (Anthony Mackie) agora possui uma nova capa. Presente do matusa Horace Axley (Michael Shanks), que deseja ter o Último Emissário como seu guarda-costas. Além disso, o empresário também promete entregar o paradeiro de Quellcrist Falconer (Renée Elise Goldsberry). Algo que Kovacs perseguiu por décadas. Claro que tudo dá errado logo de cara e o protagonista acaba envolvido em uma trama política, militar e social em seu planeta natal Harlan.

A trama da segunda temporada de Altered Carbon é recheada de reviravoltas e revelações, que entre momentos rocambolescos, acabam servindo para ampliar a mitologia da série. Voltamos ao passado para conhecer um pouco da raça alienígena responsável pelo material utilizado para a criação dos stacks, os discos que carregam a consciência humana e que podem ser instalados nas capas. Nesse intervalo, a história ousa flertar com discussões sobre corrupção, militarismo, genocídio e o significado da vida em uma realidade onde a morte é um mero espectro.

Porém, nenhum desses pontos é explorado de maneira veemente. Evitando dessa forma que Altered Carbon transforme-se num produto contemplativo. Na verdade, a ideia da showrunner Laeta Kalogridis é focar mesmo na ação. Trabalhando melhor em coreografias de lutas e sequências altamente brutais. A contagem de corpos nesse segundo ano é significativa. O resultado final não é espetacular, ainda assim, cumpre bem a cartilha do entretenimento instantâneo.

Divulgação: Netflix

Além da redução da quantidade de episódios, de 10 para 8, existe uma visível economia de recursos nessa nova temporada. Os aspectos cyberpunks agora são mínimos, assim como a utilização de locações internas e bem menos elaboradas. Esse corte orçamentário afeta até as tomadas que exigem CGI, tirando o espectador da imersão narrativa por alguns momentos. Mas assim que a visão se acostuma, é fácil digerir tais situações.

A força de Altered Carbon acaba residindo em seus personagens. Mackie, que substitui Joel Kinnaman, consegue implementar sua própria personalidade ao protagonista. E mesmo que o papel não seja exigente, sua interpretação condiz com as necessidades da trama. Chris Conner, que volta a viver a I.A Poe, é disparado o melhor ator do elenco. Destaques para as novas personagens vividas por Simone Missick e Dina Shihabi, que se integram de maneira orgânica ao andamento da história. Até mesmo os vilões extremamente cartunescos Coronel Ivan Carrera (Torben Liebrecht) e a governadora Danica Harlan (Lela Loren) acabam funcionando. Obviamente, é preciso descer um pouco o sarrafo da exigência para que a mágica ocorra.

Em vias gerais, a segunda temporada de Altered Carbon não se distancia tanto de seu primeiro ano. Ao investir muito mais na ação, abre mão de explorar determinadas questões narrativas que poderiam ampliar o leque discussões ao final do último episódio. Mas continua inegavelmente divertida, adotando agora uma postura mais canastrona.