Outros

Tecnologia: como o isolamento influenciou a demanda nos apps de comida

CosmoNerd

21 ago, 2020

São tantas da noite, e acabou a comida aqui em casa. Eu poderia desbravar a dispensa, em busca de insumos para um novo prato que mataria minha fome, mas isso demandaria muita criatividade e um esforço físico que não quero gastar no momento.

O motivo? Preguiça. Já trabalhei o dia todo, maldito home office que não me permite transitar por aí. Por mais que as autoridades e alguns setores do mercado estejam querendo a reabertura, ainda não estamos num cenário plenamente seguro.

Desse modo, enquanto aguardamos medidas governamentais efetivas e a tão especulada vacina para a doença que está preocupando a todos, minha melhor opção para saciar minha fome é pegar meu celular e escolher algo do vasto cardápio dos aplicativos de comida.

O que já era um mercado muito bem estabelecido, os apps de delivery ganharam um impulso astronômico nessa época de isolamento. As vantagens em utilizar esse tipo de serviço são óbvias: além da praticidade de receber algo pronto em casa e num preço acessível (sem precisar conversar com alguém via telefone), é muito mais seguro que sair por aí e se expor em outros locais como num supermercado.

A demanda cresceu tanto que questões trabalhistas envolvendo os entregadores precisaram ser discutidas, gerando novos debates dentro da sociedade. Ainda assim, o Brasil é o sétimo país que mais aumentou seu número de pedidos (com uma pesquisa a cada 123 pessoas), ficando atrás inclusive dos nossos vizinhos na Argentina (uma busca a cada 73 pessoas). Porém, não deixa de ser notável que um país populoso como a Índia figure apenas em décimo (uma pesquisa a cada 1.457). Isso está evidenciado no infográfico publicado no blog do site de cassino online Betway, que você pode conferir a seguir:

Dentre as comidas mais escolhidas, não vai ser nenhuma surpresa se eu disser que a boa e velha pizza é a líder nas pesquisas, certo? O típico alimento foi o mais buscado em 55 dos 81 países onde haviam dados disponíveis.

Talvez isso se explique pelo fato de que, muitas vezes, os riscos envolvidos num pedido de prato inédito são semelhantes aos de um cassino online. Desse modo, investir numa tradicional pizza parece ser a coisa certa a se fazer.

O segundo prato mais popular? Comida chinesa. Isso ocorreu nos EUA, Canadá, Reino Unido, Irlanda e, obviamente, China.

Um ponto curioso foi o termo "comida vegana", sendo o mais pesquisado na Rússia devido ao período de quaresma da Igreja Ortodoxa, onde seus fiéis (que correspondem a cerca de 71% da população do país) consomem pratos baseados em vegetais entre 26 de fevereiro e 9 de abril, período contemplado em partes pela pesquisa.

O infográfico a seguir mostra mais detalhes correspondentes aos alimentos mais buscados pelos consumidores de delivery:

E você, qual tem sido suas principais escolhas nos apps de comida nesta época? Continuem se isolando (caso possam fazer isso) e bom apetite!

Deixe um comentário