Outros

Devemos ter Orgulho de ser Nerds?

Raphael (Ph) Carmo

25 maio, 2016

Dia 25 de Maio. Dia do Orgulho Nerd. Mas entre os geeks mais inteirados, é também chamado de Dia da Toalha, em homenagem a um dos maiores nerds da literatura de ficção científica, Douglas Adams. No Guia do Mochileiro das Galáxias, sua maior obra, temos a toalha como um item essencial para o mochileiro, claramente uma piada interna e absurda, como boa parte do livro. Mas esse título ligado ao autor vem perdendo sua força, principalmente na mídia e nas campanhas de Marketing. Ora, Dia do Orgulho Nerd é muito mais fácil de se vender do que Dia da Toalha, pois muitas pessoas não estão familiarizadas com a "trilogia de 5 livros". Dito isso, fica aqui o questionamento: devemos ter orgulho de sermos nerds e o que isso representa? Não vou entrar aqui no mérito do que é ser nerd, porque isso é uma discussão maior, então vou usar o senso comum.

Ser nerd hoje está na moda, não é difícil encontrar camisas e outros itens com personagens de quadrinhos e desenhos animados, mesmo em lojas de roupas ou departamento que não são conhecidas por vender somente esse tipo de produto. Aqui que chego no meu primeiro ponto: ser nerd não é barato. O nerd gosta de colecionar coisas, gosta de mostrar para todo mundo que ele gosta daqueles personagens. Então, muitas vezes, para mostrar essas coisas devemos comprá-las. E aquele nerd chato não gosta de ter produtos pirateados, ele quer ter o original para de certa forma mostrar que ele se importa ou que talvez está mais próximo dos seus ídolos. Você pode estar dizendo agora que não é assim, que não pensa dessa forma e que ser nerd vai muito além disso. Você está certo. Ser nerd não é consumir produtos que a maioria da população não tem dinheiro para comprar, mas cada vez mais está se tornando isso, pois somos bombardeados com esse estilo de vida e eles fazem esse trabalho muito bem. A indústria percebeu que os nerds gostam de gastar dinheiro, e está sugando cada centavo com louvor.

Foto de um quarto cheio de coisas nerds

Quer dizer agora que devemos parar de comprar o que nós gostamos? Lógico que não. É ótimo ter finalmente vários produtos de coisas que gostamos para consumir e eu mesmo adoro me exibir mostrando os novos itens da minha coleção, estou somente questionando se aquele espírito de nerd mais clássico, da pessoa que ama seus ídolos e obras, está se perdendo em meio a uma busca desenfreada para comprar tudo aquilo que tem a marca do seu personagem favorito.

Seguindo para o segundo ponto, estamos vendo cada mais reclamações sobre como a indústria de entretenimento é racista, machista, homofóbica e outros istas a mais. É bom ver alguns nomes famosos lutando contra isso e sou bem otimista em falar que isso é temporário, já já não teremos mais esses problemas e as obras que acompanhamos serão o mais inclusivas o possível. Mas o neio nerd ainda é muito machista, por exemplo. Vejam o exemplo das novas Caça-Fantasmas, uma mistura de machismo com nostalgia sem sentido tornou o seu trailer um dos mais negativados no Youtube ( eu nem achei o trailer legal mas não acho que ele mereça esse demérito todo ). E esse é somente um exemplo, se eu for falar aqui de todas as reclamações sobre mudanças de sexo de personagens para minorias, empresas de jogos colocando mais roupas em personagens antes sexualizadas ou reclamações sobre mulheres roubando o protagonistas de homens o artigo ficaria enorme e perderia o foco.

print do trailer de As Caça Fantasmas com muitos dislikes

Ah, mas eu não sou assim, diz você. O problema aqui é que o grupo como um todo tem um comportamento bem discutível e muito disso foi criado pela própria indústria de entretenimento, misturada com outros problemas comportamentais, eu não sei se quero ter orgulho de participar do mesmo clube do bolinha que essas pessoas, ou se vou continuar seguindo ícones nerds da internet brasileira que se calam ou até mesmo falam contra seus fãs pertencentes a grupos minoritários que são agredidos pela parcela bem maior de privilegiados que também são seus fãs. Devemos ter orgulho de participar de um grupo que lê X-men mas é homofóbico? Que viu todos Star Wars e é a favor de golpes políticos contra a democracia? Que chorou em Thelma e Louise mas diz que uma mulher que veste saia curta está pedindo para ser estuprada? Mais uma vez, não estou me colocando como um santo, ainda tenho muito o que aprender em quesito de empatia. Para saber mais sobre esse assunto, eu recomendo fortemente esse Anticast que fala sobre isso.

Image do quadrinho Preacher onde o pai do personagem fala a frase que está no post

Do que devemos ter orgulho então? Eu sempre tentei seguir uma frase do quadrinho Preacher na minha vida: "Você tem que ser um dos caras bons, porque já existem muito caras maus por aí". Por incrível que pareça, um dos quadrinhos mais errados que já se tem notícia, consegue passar uma mensagem bem bonita que, para mim, é o principal motivo de orgulho de ser nerd. A medida que vamos crescendo, a inocência da juventude vai se perdendo e vamos cada vez mais virando pessoas individualistas e preocupadas com bens materiais. Não estou falando de você que vende a arte na praia, estou falando de grande parte da população. Outra coisa que acontece (pelo menos acontecia) quando a gente cresce é que vamos deixando de lado os mundos mágicos dos jogos, quadrinhos e desenhos animados, coisas que eram consideradas objetos de crianças. Eu acredito que o nerd mantém parte dessa inocência consigo e também os valores daquelas obras que ele tanto ama. Vamos pensar nos heróis clássicos da cultura pop, como Homem-Aranha ou Luke Skywalker, a maioria deles são pessoas incorruptíveis e bondosas, que colocam o outro à frente deles mesmos. Eu sempre pensei que se eu ganhasse super poderes, eu viraria um herói e ajudaria ou outros. Hoje, com tantos problemas na vida e contas para pagar, não sei se seria tão altruísta assim. Antes, eu queria ser o Superman, hoje fico feliz se conseguir ser pelo menos o Clark Kent.

Desenho de uma criança vestida de Capitão América defendendo outra de um bully

É aqui então que reside, para mim, o orgulho de ser nerd. Nós nos mantemos crianças e esperançosos, absorvendo mensagens lindas e importantes, tendo empatia e realizando atos heroicos. Até os anti-heróis mais asquerosos possuem traços de personalidade e jornadas que nos identificamos e usamos como muleta para nossas próprias vidas, quem conhece a Jornada do Herói sabe do que eu estou falando. Espero que eu tenha conseguido passar  minha mensagem, provavelmente falei algumas merdas e me contradisse, mas gostaria de tentar mostrar que ser nerd é muito mais do que comprar aquela nova caneca do Deadpool ou conhecer quem é o personagem que aparece na cena pós-créditos. Ser nerd é refletir aquelas histórias cheias de ensinamentos na vida real e nos aprofundar nesses mundos mágicos, trazendo para fora o que há de melhor em nós mesmos. Feliz Dia da Toalha ou Dia do Orgulho Nerd, tanto faz, o importante é NÃO ENTRAR EM PÂNICO e pensar o seguinte: será que o próprio Douglas Adams não usaria seu humor ácido e crítico para falar dessa situação que vivemos?

Esse texto foi inspirado no post de Theodore Guilherme, no Facebook.

Deixe um comentário