Imagem destacada da postagem - um mural na zona sul de são paulo com desenhos dos personagens da série chaves
Opinanerd

Dia 20 de Junho: Quase meio século de Chaves!

Edipo Pereira

20 jun, 2016

Chaves completa 45 anos emocionando gerações

No dia 20 dChavese junho de 1971 foi ao ar o primeiro episódio da série Chaves no México. Originalmente chamado de "El Chavo del Ocho", o programa só estreou no Brasil dez anos depois (obrigado SBT!). E esse aniversário de 45 anos de um dos programas mais exibidos por aqui é marcado pelo recente falecimento de Rubén Aguirre, ator que deu vida ao Professor Girafales. O próprio criador do programa, Roberto Bolaños, nos deixou no final de 2014.

Mas frente à triste realidade do tempo (e a inevitável morte dos nossos ídolos terrenos) há também a reflexão: é quase meio século que Chaves completa alegrando gerações inteiras! Não é pra qualquer um entreter seu avô, seu pai, você e seu filho com basicamente o mesmo conteúdo. A simplicidade na forma de ensinar valores diversos, os efeitos especiais pouco convincentes mas honestos, e o eficiente humor sem ofender as pessoas (numa época onde não existia o tão falado politicamente correto) são algumas das características que tornam Chaves tão rico e de valor inestimável.

Kiko e Dona FlorindaClaro que há quem não goste. Lembro da minha infância quando alguns pais diziam pra gente que "são sempre as mesmas piadas" ou "por que vocês não param de assistir esse Chaves?". Alguns ainda não entendiam o que um Kiko (Carlos Villagrán), um Seu Madruga (Ramón Valdés) ou até mesmo um Godinez (Horácio Gómez Bolaños, irmão de Roberto) representam na cultura cult e pop, preferiam ver o jornal na TV ou , pasmem, novelas. Melhor nem trazer a questão pros dias atuais com BBBs da vida, novelas (ainda elas) e a violência desenfreada e sensacionalista dos "datenas" à tarde.

Nesse sentido, tive uma infância excelente onde minha família toda incentivava o "consumo de Chaves". Seja com meu avô (grande amigo que está no céu, e para sempre comigo), com meus pais, ou mesmo se um dia tiver filhos (ele não será obrigado a gostar, mas saberão que existe esse universo desde cedo).

 

Deixe um comentário