Professor Feelgood, de Leisa Rayven

88
professor-feelgood-livro

Escrito por Leisa Rayven, Professor Feelgood (Editora Alt, 2018) é o segundo livro pertencente a uma série chamada ‘Masters of Love’, mas apesar disso, ele pode ser lido de forma independente sem que a leitura seja afetada.

O livro conta a história de Asha Tate, que trabalha em uma editora que apresenta dificuldades financeiras para se manter no mercado editorial, e como uma possível saída, o dono da empresa sugere uma promoção para o funcionário que lhe apresentar um novo best-seller, acreditando que isso salvará a empresa Whiplash. Tate, que sempre se dedicou de forma árdua ao trabalho vê aí sua grande oportunidade, mas essa não será uma missão nada fácil.

Professor Feelgood é o codinome adotado por um homem que compartilha uma parte da sua vida amorosa no Instagram, de forma anônima. Além de ser conhecido pelo físico escultural em suas fotos desinibidas, ele também carrega uma legião de fãs pelo seu trabalho com a escrita fervorosa, intensa e igualmente sem pudor.

Asha se vê perdida em inúmeras possibilidades frustradas de manuscritos, pois nenhum deles chega a ter o potencial que ela necessita para ser promovida como editora. Quase no fim do prazo limite, ela tem a ideia que poderia alavancar sua carreira: publicar o Professor Feelgood.

A partir disso, ela entra em contato com o homem misterioso e faz a grande proposta, mas convencê-lo não é tarefa fácil, muito menos conseguir fechar negócio, já que praticamente todas as editoras de Nova York foram alertadas e passaram a enxergar o potencial latente do rapaz. Entretanto, Asha Tate não poderia nem mesmo imaginar que ainda haveria inúmeros problemas a serem enfrentados, começando a partir da identidade do Professor.

No geral, não sou uma leitora voltada ao gênero de romance, pois, por muitas vezes, vejo autores mais focados em fazer uma química avassaladora do que uma história coerente com um background decente. Por já ter tido experiências negativas (e recorrentes) com o gênero, acabo evitando o contato. Este livro me fez repensar isso.

A obra tem uma linguagem fácil, uma narrativa engraçada e leve, onde a autora sabe trabalhar com boas quebras de expectativa, que só cativam ainda mais o leitor. Embora tal ponto positivo exista, ela peca em alguns momentos por ser previsível.

A história é bem construída e trabalhada, os fatos ocorridos não acontecem de forma apressada, o que ajuda na conexão com os personagens apresentados.

O fato da protagonista ter voz ativa e um comportamento altivo me conquistou, pois acredito que a grande massiva quantidade de leitores, especialmente o público feminino, está cansado da fórmula batida de mocinhas indefesas que precisam ser socorridas incessantemente. O livro nos apresenta problemáticas como competitividade não saudável e assédio no ambiente de trabalho, bloqueios sexuais e relações de fachada, questões pessoais e o quanto isso pode afetar seu lado profissional, além de estimular e seu senso crítico e provocar bastante reflexões com diversos pontos levantados.

Como dito anteriormente, há um bom background, especialmente quando se trata dos personagens secundários, pois, mesmo não sendo o foco do livro, há uma introdução razoável a eles que dividem cenário com Asha, sendo em grande maioria, extremamente cativantes.

Minha experiência, de modo geral, foi bastante positiva, mesmo tendo me decepcionado com o final escolhido pela autora.Suas foram um tanto quanto “fantasiosas”, dando a sensação de que o protagonista poderia realizar o impossível. Ela usou o poder de controlar a história para dar o clássico final feliz, mesmo ignorando que aquilo poderia tornar tudo superficial, e isso me trouxe um pouco de frustração, pois desejava do fundo do meu coração que ela tivesse sido um pouco mais ousada, e desafiasse a “regra” do ‘felizes para sempre’. Porém, independente desse desagrado pontual da minha parte, eu recomendaria o livro por acreditar que a experiência literária com ele valha a pena, especialmente pelas reflexões que vão fazer você ‘engolir em seco’ e pela narrativa que vai te fazer rir e relaxar.

professor-feelgood-livro-foto-Alec-Moreira