Hqs e Livros

Editora Draco procura autores para coletânea sobre a Segunda Guerra Mundial

Edipo Pereira

7 ago, 2017

E aí, Ruma de Nerds! A Editora Draco está em busca de autoras e autores para uma coletânea sobre a Segunda Guerra Mundial, então colocamos abaixo as informações originais da postagem da editora com os devidos detalhes à respeito do que eles buscam. Boa sorte!

Editora Draco abre coletânea de quadrinhos sobre a Segunda Guerra Mundial

Não é à toa que a guerra é um dos quatro cavaleiros do apocalipse. No campo de batalha, grupos de seres humanos entram em conflitos de vida ou morte apenas para resolver questões políticas, disputas de poder e diferenças culturais e/ou religiosa. Enquanto generais decidem as vidas de milhões em verdadeiros jogos de guerra, grandes narrativas são construídas nas diversas frentes de combate.

Quem gosta de cinema, literatura, quadrinhos e qualquer outra forma de contar história, já deve ter notado que dentre todos os conflitos armados a Segunda Guerra Mundial é um dos mais fascinantes. Provavelmente, ela é um dos eventos históricos mais discutidos, retratados e transformados em obras de ficção de toda a história. Os fatores que causam esse encantamento são muitos: mudanças tecnológicas, líderes carismáticos, início da globalização, conflitos ideológicos, vasta documentação disponível, genocídios desumanos, experimentos secretos, espionagem etc.

Por nossa própria paixão por histórias da WWII, estamos abrindo uma seleção para a coletânea de quadrinhos Arquivos Secretos da Segunda Guerra Mundial.

Referências:

Estamos procurando histórias que tenham como tema central a Segunda Guerra Mundial, seja em suas causas, efeitos ou resultados. As histórias em quadrinhos devem ser baseadas em fatos históricos, mas podem conter elementos dos gêneros como ficção científica, terror, fantasia e todos os subgêneros e misturas. Ou seja, estamos abertos tanto para histórias de guerra baseadas em relatos reais quanto para narrativas fantásticas usando a Segunda Guerra como cenário.

Apenas lembrando que vemos com bons olhos histórias que sejam contadas do ponto de vista de um personagem brasileiro. Não é algo obrigatório, mas que pode fazer a diferença na escolha de um roteiro. Porém, a nossa prioridade é em ter uma coletânea com diversas visões sobre o evento.

Algumas referências do que esperamos:

Cinema e televisão

Hellboy, A vida é bela, O Trem da Vida, Indiana Jones, Os Meninos do Brasil, O Grande Ditador, O Labirinto de Fauno (não se passa na Segunda Guerra, mas tem o clima certo de fantasia), Comando de Mortos-Vivos (Shock Waves), Nazistas no Centro da Terra, A Lista de Schindler, Band of Brothers, Bastardos Inglórios, O Leitor, O Pianista, A Queda, Casablanca, Túmulo dos Vagalumes, O Resgate do Soldado Ryan, Operação Valquíria, Patton, Capitão América – O Primeiro Vingador, Mestre dos Brinquedos 3, Projeto Filadélfia, The Rocketeer… a lista é infinita.

Quadrinhos

Combate Inglório, Gen Pés Descalços, Maus, Capitão América, Tocha Humana, Namor – O príncipe submarino, Kaputt, Jambocks, Sorge – O Espião, Hellboy, Zero Eterno, World War Wolves, Fubar, Adolf, Onward Towards our Noble Deaths, Giglio, Zion no Koeda, Two-Fisted Tales, O Xerife da Babilônia (outra guerra, mas uma abordagem incrível), Sgt. Fury and His Howling Commandos, Sgt. Rock, Call of Duty – Zombies, O Conflito do Vietnã (novamente uma indicação pela qualidade narrativa), qualquer HQ de guerra do Garth Ennis

Literatura

O Diário de Anne Frank, Dia D – A Batalha pela Normandia, Filhos do Éden – Anjos da Morte, O Brasil na Mira de Hitler, Inferno – O mundo em guerra, Enigmas e Mistérios da Segunda Guerra Mundial, Olga, Tudo o que tenho levo comigo, As mulheres do nazismo, A Guerra Não tem rosto de mulher, História revelada da SS, O pianista de Hitler, HHhH (Himmlers Hirn heiBt Heydrich), As espiãs do Dia D,  … existem milhares de livros sobre o assunto dos mais variados aspectos.

Videogames

Metal Gear (o começo da história data de lá, mas a referência aqui é o uso da história real como pano de fundo para ficção fantástica), Call of Duty, Wolfenstein, Papers Please,  Battlefield, Medal of Honor e muitos outros.

O importante é entender que, independente das suas referências como autor, a presença da Segunda Guerra Mundial deve servir à construção de narrativas fictícias, que podem ser bem pé no chão e/ou narrativas fantásticas. Não se prendam a essas referências, pois nenhuma atende por completo ao tema que criamos (HQs ambientadas na Segunda Guerra Mundial, que podem ter ou não um elemento fantástico).

Poderão participar:

  • Quadrinistas (roteiro + arte);
  • Duplas de criação (roteiristas + ilustradores);
  • Artistas solo (ilustradores ou roteiristas) – encaixaremos os ilustradores com os roteiristas de acordo com as suas características.

Idade mínima:

Não existe idade mínima, porém menores de idade deverão ter o contrato assinado pelos responsáveis legais.

Sobre os materiais para avaliação:

Nosso foco é nas histórias inéditas e que não sejam séries que já estejam publicadas na web. Temos como objetivo construir as histórias em conjunto com os autores, buscando profissionalismo e qualidade.

Não há preconceitos com estilos. Assim como esperamos roteiros bem narrados e diversificados, também aceitamos traços de todos os tipos. Dos mangás aos europeus, passando pelos heroicos comics estadunidenses. Ou nada disso, uma proposta única e típica dos brasileiros desbravando o universo das artes sequenciais. O formato do álbum é 17 x 24 cm e a mancha de arte passa a ser estipulada em 14 x 21 cm, ou seja, as margens são de 1,5 cm em todos os lados. As histórias serão COLORIDAS, isso quer dizer que todas as cores estão liberadas, mas o bom uso delas é importante fator narrativo e artístico.

Atenção! Todas as histórias começam em uma página ímpar e terminam em uma página par. Por isso programe páginas duplas ou cenas de impacto com isso em mente.

As histórias do álbum são para um público adulto, portanto nudez e violência são permitidas, desde que façam parte do contexto e não sirvam simplesmente para chamar atenção.

Isso não é um concurso, mas uma seleção do que melhor atender aos interesses editoriais da Editora Draco.

A coletânea terá 168 páginas, com 8 histórias de 20 páginas coloridas. Isso mesmo, o álbum todo será em COLORIDO. A publicação terá o formato de álbuns para livrarias, ou seja, a ideia não é a distribuição em bancas, mas nas grandes redes de livrarias ou casas especializadas. E o prazo de entrega vai até 6 de novembro de 2017.
E-mail para envio das submissões: dracomicsbr@gmail.com

Senta a Púa!!!!!!

Deixe um comentário