Gloomhaven é bom? Damos 5 motivos para mostrar que sim

338

Gloomhaven, o jogo número 1 no top do Boardgamegeek, finalmente chegou ao Brasil! A Galápagos Jogos anunciou oficialmente a pré-venda do megalomaníaco jogo no dia 4 de abril através de um hotsite. Mas o jogo é isso tudo mesmo? Nesse artigo vamos explicar um pouco sobre como ele funciona e dar motivos para não perder essa experiência.

5. Os Personagens

A premissa principal de Gloomhaven é trazer uma experiência mais próxima possível de um RPG. No jogo, cada jogador controla um personagem pré-definido com sua própria raça e classe. Inicialmente são oferecidos 6 personagens mas é aqui que entra uma das coisas mais legais da experiência: cada jogador recebe um objetivo secreto no início do jogo, ao completar esse objetivo, aquele personagem “se aposenta”. Depois que isso acontece, o jogador libera uma nova classe de personagem lacrada em uma caixa! São em torno de 10 classes novas escondidas no jogo que só vão aparecer caso os personagens concluam essas missões pessoais. Além disso, cada personagem é jogado de uma forma completamente diferente, como se fosse um jogo completamente novo para cada um que escolhe.

4. Combate estratégico

Uma das principais diferenças de Gloomhavem para outros jogos no estilo Dungeon Crawler é o seu sistema de combate. Na maioria dos jogos desse tipo, você joga dados para ver se o seu ataque acertou ou algo do tipo. O sistema de Gloomhaven funciona através de cartas. Cada jogador possui um número X de cartas em sua mão e, todo turno, escolhe em segredo duas para jogar que vão corresponder a suas ações. Como se isso já não fosse estratégico o suficiente, cada carta possui duas ações diferentes (uma em cima e uma embaixo) e, além disso, essas ações podem ser sacrificadas para realizar um movimento ou um ataque básico. A sensação que você tem a jogar é como se todo turno fosse um quebra-cabeça diferente que os jogadores devem resolver. Uma ótima decisão do jogo é limitar a comunicação enquanto os jogadores escolhem. Os jogadores só podem falar coisas simples como “vou atacar aquele cara ali” ou “eu vou te curar”. Tudo isso para representar o fervor e velocidade da batalha e ainda evitar que jogadores controlem o turno dos outros.

3. Mundo mutável

Lembra quando falei que Gloomhaven tenta representar um RPG na mesa de board game? Pois bem, o combate não é o único elemento do jogo. Entre aventuras, os jogadores visitam a cidade de Gloomhaven para melhorar seus personagens, coletar novas missões e realizar eventos. Ao completar algumas missões e tomar decisões, adesivos são colocados nas cartas de personagem e no tabuleiro, modificando aquele jogo permanentemente. Alguns NPCs vão morrer, outros vão ficar com você e diversas outras coisas podem acontecer. Tal como um RPG digital, algumas ações dos jogadores vão ativar conquistas e certos eventos só vão acontecer caso essas conquistas forem coletadas. Você realmente sente que está mudando aquele mundo.

2. Intermináveis horas de jogo

Muitos podem dizer que pagar mais de 800 reais (o preço aproximado do jogo no Brasil) pode ser caro em um jogo de tabuleiro. E é mesmo! Sabemos que esse é um hobby caro e muitos brasileiros não podem ter essa experiência. Mas se levarmos em consideração o que vem na caixa do jogo, podemos achar esse preço até justo. Gloomhaven vem com literalmente 10kg de conteúdo dentro da sua caixa. O jogo possui em torno de 100 missões que levam mais ou menos 2 horas cada para terminar. Você não vai jogar todas as missões em uma só campanha, mas faça as contas. Além disso, tem os eventos de cidade e estrada, evolução de personagem e gerenciamento de outros recursos. Caso você divida o valor com um grupo de 4 pessoas, o jogo vale muito a pena pelo conteúdo que ele oferece. Vocês vão passar literalmente meses (ou até anos) jogando. Some isso a quantidade absurda de personagens, monstros e itens que o jogo possui então você tem uma experiência bastante completa e cheia de surpresas.

1. A Narrativa

Eu acredito que Gloomhaven possui a quantidade correta de história. Cada missão possui um pouso de texto inicial e final. O suficiente para que os jogadores consigam imaginar o resto da cena e completar a narrativa com sua própria imaginação, como um bom RPG. Além disso, existem também eventos aleatórios de cidade e estrada que dependem da decisão dos jogadores. Você vai se arriscar para tentar conseguir algo ou vai evitar o risco para completar sua missão de forma mais segura? Além disso, as missões que vocês escolhem como grupo também moldam a história e o mundo, os personagens pode acabar seguindo uma linha mais heroica ou criminosa durante o jogo. Apesar de não ser obrigatório, é quase impossível não interpretar seu personagem durante as discussões sobre o que fazer no jogo, trazendo uma profundidade narrativa legal que não vem só da caixa, mas também dos jogadores.

Esses foram 5 motivos para jogar Gloomhaven. O jogo possui muuuito mais coisas e não quero dar spoilers aqui. Como todo jogo Legacy, uma das coisas mais divertidas é descobrir os segredos e coisas secretas que as partidas vão revelar.