Apocalypse Now: Final Cut estreia 1 de julho no Belas Artes à La Carte

45

A versão definitiva do clássico de Coppola chega acompanhado de 2 documentários sobre os bastidores de sua produção: “Francis Ford Coppola – O Apocalipse de Um Cineasta” e “Dutch Angle: Fotografando Apocalypse Now”

“Apocalypse Now: Final Cut” foi o filme mais procurado pelo público do Belas Artes Drive in, tendo suas vendas esgotadas em menos de 24 horas. Por conta disso, a Pandora Filmes disponibilizará o filme na plataforma digital Belas à La Carte, a partir do dia 1 de julho. Porém, ele não será lançado sozinho, junto ao longa, chegam também ao público de todo o Brasil dois documentários que poderão ser adquiridos em um pacote, e também estarão no cardápio para assinantes do Belas a La Carte: ” Apocalipse de Um Cineasta” codirigido por Eleonor Coppola, companheira de Francis Ford Coppola e “Dutch Angle: Fotografando Apocalypse Now” de Baris Azaman.

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes em 1979, essa grande obra prima do cinema mundial, teve sua versão original indicada ao Oscar em 8 categorias e venceu 2 delas: Melhor Fotografia (Vittorio Storaro) e Melhor Som. Ganhou ainda três Globos de Ouro, entre eles o de Melhor Diretor.

Após ser lançado e depois relançado com diferentes edições, APOCALIPSE NOW está de volta neste “Final Cut”, que, segundo o diretor, é a melhor versão do filme. A restauração, que traz 49 minutos excluídos da edição original, foi feita pela primeira vez através do negativo original, um trabalho que que deu ao filme uma qualidade de imagem e som muito superior à anterior. O público, enfim, “vai ver, ouvir e sentir o filme como sempre sonhei”, diz Coppola.

Partindo de uma livre adaptação do romance “O Coração das Trevas”, de Joseph Conrad, as filmagens começaram em 20 de março de 1976 e se estenderam até 21 de maio de 1977, nas Filipinas, com um cronograma inicial de algumas semanas que acabaram se prolongando por 238 dias, entrando para a história como uma das produções mais tumultuadas de todos os tempos.

Os incidentes incluem um infarto sofrido pelo ator Martin Sheen, que foi afastado por semanas, e até a passagem do tufão Olga, que destruiu cenários e equipamentos, gerando mais atrasos e despesas, levando a produção orçada em 13 milhões de dólares a custar mais que o dobro. Após a conclusão da produção, vieram outros contratempos que fizeram com que seu lançamento fosse adiado por diversas vezes, enquanto Coppola reeditava o material infinitas vezes, levando o filme a esperar por três anos até chegar nos cinemas.

Mas, os problemas já começaram na escolha do elenco, após Steve McQueen e Al Pacino recusarem o convite e Coppola não se convencer de que Harvey Keitel seria o ator ideal interpretar o capitão Benjamin Willard, papel que acabou ficando com Martin Sheen, que já havia impressionado o diretor com o teste que fez para o personagem Michael Corleone, de “O Poderoso Chefão”. Marlon Brando também deu trabalho, chegando ao set sem ter se preparado, acima do peso e com a cabeça raspada por iniciativa própria. Entre atores já conhecidos e outros que viriam a se tornar astros, o elenco reúne ainda Robert Duvall, Frederic Forrest, Dennis Hopper, Harrison Ford, Scott Glenn e Laurence Fishburne, que, na época, tinha apenas 14 anos e mentiu que tinha 16, para não perder o papel!

A trilha sonora original do filme foi composta pelo diretor e seu pai, Carmine Coppola. O disco da trilha inclui apenas três canções presentes em cenas marcantes: “The End”, do The Doors, “Susie Q”, interpretada pelo Flash Cadillac, e Cavalgada das Valquírias, de Richard Wagner. “Satisfaction”, dos Rolling Stones, também está numa cena antológica do filme, mas não entrou no disco.

Continue no CosmoNerd para mais novidades, listas e análises da cultura pop, geek e nerd. Aproveite para nos seguir em todas as redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram e Youtube) para não perder nenhuma novidade.

O universo nerd se encontra neste site que traz os principais conteúdos intergalácticos para os amantes da cultura pop.