Raphael (Ph) Carmo

21 maio, 2016

Filmes

Sou uma criança dos anos 90 e, como muitos, não tive muita grana pra comprar quadrinhos quando mais novo. Por isso, meu principal contato com super-heróis foi com os desenhos animados dos anos 90: Batman, Homem-Aranha e, lógico, o incrível desenho dos X-Men, sendo até hoje uma referência de animação e como resumir aquelas linhas do tempo confusas da hq em um desenho muito bom, é impossível lembrar dessa animação sem pensar no tema de abertura que coloquei abaixo. Dito isso, é muito difícil você ter esse desenho animado no coração e não se divertir muito assistindo X-Men: Apocalipse, o filme é uma grande referência visual e conceitual do desenho dos anos 90. Confira o Review sem spoilers (com alguns no final mas eu aviso antes).

O filme continua a linha temporal dos dois últimos com saltos de 10 anos. O primeiro se situava nos anos 60 e tinha todo aquele clima de medo da guerra nuclear iminente, o dos anos 70 mostrava o professor Xavier com uma clara referência a pessoas viciadas em drogas e a influência da Guerra do Vietnam na escola. Aqui que começa o primeiro problema do longa, ele não possui um tema muito interessante ligado aos anos 80. Vemos algumas referências de cultura pop e roupas aqui e acolá, mas  não é algo importante para a narrativa como era nos dois últimos, talvez o clima de fim do mundo que todos tinham durante os anos 80, mas talvez seria forçado demais. Para resumir a história, Apocalipse é o primeiro mutante que vivia durante o Egito antigo em uma sociedade totalitária onde os humanos eram escravizados pelos mutantes, depois de um golpe ele fica aprisionado e é acordado nos anos 80. Ele então junta seus 4 cavaleiros do Apocalipse para dominar a Terra novamente. Enquanto isso, Mística está "trabalhando" sozinha como uma militante da causa mutante e sendo louvada como heroína pelo seus iguais. Xavier finalmente está com a escola funcionando, recebendo alunos novos como Jean e Ciclope.

Tempestade em posição de luta

O primeiro problema do longa é que ele mostra muitos personagens mas não consegue se aprofundar em nenhum, não que as motivações não sejam boas, mas elas são muito rasas e rápidas demais. Tem alguns personagens que chamam tanta atenção no pouco tempo que passam em tela que você fica chateado com o tempo curto que eles têm de tela. Tempestade é uma que eu estava muito empolgado de ver mas no final ela nem participa muito do combate, a Jubileu nem se fala...ela fica na escola e nem vai pra luta. Por falar em personagens que não fazem muita coisa, achei os 4 cavaleiros do apocalipse bem buchas, somente o Magneto é poderoso ali, o resto não consegue apresentar muita ameaça e fico até me perguntando por que o Apocalipse escolheu aqueles dentro de milhões de mutantes. Psylocke é a pior de todos, por mais que seja irado ver ela lutando e usando seus poderes, não da pra entender sua motivação e porque diabos ela está de maiô no meio da rua!!

Apocalipse segurando Mística pelo pescoço

Outra coisa que tá ficando chata é isso do Magneto sempre estar dos dois lados da moeda, o que acaba mostrando ele como uma pessoa boa e uma motivação muito forçada para que ele vire vilão novamente, você nem começa a se importar com a vida normal que ele anda tendo para se importar quando o jogo vira. Aliás, todos os cavaleiros do Apocalipse tem motivações bem fracas, tudo bem que ele escolheu pessoas com índole discutível, mas você precisa de uma motivação muito boa pra se juntar a alguém que quer destruir o mundo. Até os heróis tem plots meio jogados, o próprio Mercúrio (que tem uma cena de super-velocidade bem maneira de novo) tem uma questão que parece tão jogada que os roteiristas nem sabem como encaixar na história.

Vamos às coisas boas então, Fassbender e McAvoy estão ótimos juntos novamente. E é claro que a Fox está utilizando a fama de Jeniffer Lawrence para transformar ela até numa das heróinas principais do filme. Oscaar Issac consegue fazer milagre com o texto fraco que é dado para ele e até consegue inspirar medo atrás daquela maquiagem horrível.

Talvez o que seja mais legal desse filme é que ele é muito divertido e lembra muito as hqs e desenho animado, infelizmente as questões mais sérias são deixadas de lado, mas o longa entrega uma aventura dos X-men das mais clássicas, os poderes estão muito legais e os combates interessantes. A adição dos 3 novatos Jean, Cicople e Noturno funciona bem para que eles sejam nossos olhos nesse mundo novo, além de que a dinâmica dos seus poderes funciona muito bem, eles têm química. É uma pena que a batalha final não tenha a tensão do clímax dos outros dois filmes e que a resolução do combate precise de um certo conhecimento da trilogia antiga para ser entendido na sua completude.

X-Men: Apocalipse não tem a profundidade e maturidade dos seus antecessores mas é uma aventura muito divertida digna do desenho dos anos 90. É legal ver os X-men trabalhando juntos, a dinâmica dos seus poderes e a escola Xavier funcionando. Uma coisa legal é que, no final do filme, você entende que ele não é um final de uma franquia, mas o começo de outra. Vale muito o ingresso mas, como diz a Jean Grey no próprio longa, é a maldição do terceiro filme.

Alguns Comentários com Spoilers!

.

.

.

.

.

A aparição do Wolverine como Arma X foi muito irada!

Alguém mais não se importou com a família do Erik, foi tão jogado que não deu pra se emocionar.

Ver os X-men de uniformes mais coloridos no final foi lindo.

Danger Room!

 

Deixe um comentário