Os donos dos grandes estúdios de cinema compartilham do mesmo sonho: ter uma franquia de sucesso nas mãos. Algo lucrativo, que agrade os críticos e o grande público. Se os filmes fizerem parte de um universo compartilhado, melhor ainda. Por isso, milhões e milhões de Trumps são investidos em busca da franquia perfeita. Claro que o resultado bruto é lastimável, mas todos tem um lugar ao sol.

A Universal também resolveu entrar na jogada, mesmo que tenha dado o pontapé inicial nisso tudo. Antes de Capitão América e Homem de Ferro discutirem a relação e a Martha resolver a treta de Batman vs Superman, o estúdio já unia seus monstros nos anos 40/50. A Casa de Frankenstein e A Casa de Drácula servem como exemplos. Mas naquela época era bem mais difícil ganhar dinheiro com esses encontros. Por isso Os Monstros da Universal tornaram-se algo de nicho, restrito aos fãs mais hardcore. Mas agora vislumbram uma oportunidade de retorno.

O primeiro passo foi dado em Drácula: A História Nunca Contada, que tinha Luke Evans no papel do vampirão e Charles Dance como um “mentor” e possível responsável por reunir a turma numa futura aventura. Mas esse renascimento já era estudado desde 2013, quando nomes como Chris Morgan, Alex Kurtzman, Noah Hawley, Jon Spaihts e Eric Heisserer se reuniram para imaginar como seria esse novo universo.

Agora a tocha foi passada para A Múmia, filme estrelado por Tom Cruise e que terá Sofia Boutella (Star Trek: Sem Fronteiras, Kingsman) como grande vilã. O trailer, lançado no último domingo, mostra que o filme vai seguir o padrão do novo Drácula, ou seja, mais ação e menos terror.

A direção será de Alex Kurtzman, um dos cabeças da trupe. Durante muito tempo, Alex teve seu nome envolvido com um filme solo do Venom, na época em que boatos apontavam que a Sony planejava expandir o universo do Cabeça de Teia. Além de comandar A Múmia, ele vai ser responsável por produzir boa parte dos vindouros filmes dos Monstros da Universal. Também será um dos produtores de Star Trek: Discovery, série que estreia ano que vem. Em outras palavras, Alex não para.

Curiosamente, o trailer de A Múmia serviu para tirar a poeira do projeto. A recepção nada amigável de Drácula pareceu cair como um balde de água fria na ideia, que agora ganha força com Tom Cruise entrando para a tripulação. Mas além da antiga rainha, outro personagem conhecido do público vai aparecer no longa: Dr. Henry Jekyll, que costuma se transformar em um certo Mr. Hyde. O papel ficou nas mãos de Russell Crowe.

Homem-Invisível (que será estrelado por Johnny Depp), Lobisomem (que pode ter Dwayne “The Rock” Johnson como protagonista), Van Helsing, Monstro da Lagoa Negra (rumores apontam que Scarlett Johansson pode estrelar) e A Noiva de Frankenstein (com Angelina Jolie e Javier Bardem cotados para formarem o casal principal) são os próximos projetos da Universal.

mummy-2017-sofia-boutella

O principal desafio do estúdio e da sua turma é evitar um resultado parecido com o da Liga Extraordinária, além de apresentar um motivo minimamente plausível para reunir esses seres das trevas. Hoje é possível imaginar algo na pegada Esquadrão Suicida, mas com alguma ameaça ao reino sobrenatural e etc. Opções não faltam para desenvolver o tal universo compartilhado, eles só precisam escolher a melhor.

Em tempos onde os super-heróis dominam as bilheterias e ditam a estética das novas franquias, a Universal pode trazer seus consagrados monstros de volta e ainda faturar com tudo isso, algo que não ocorreu no passado. Mesmo não sendo um projeto revolucionário, é possível esperar bons frutos. O dinheiro do ingresso já está separado, apenas esperando a festa dos monstros começar.

*créditos do trailer para o canal do Youtube ‘Trailers nosferahcorp’