O texto a seguir contém SPOILERS de Capitão América: Guerra Civil!

Capitão América: Guerra Civil já está entre nós. E o título de uma das melhores produções do Marvel Studios é mais que merecido. Mas como toda produção desse porte, nos pegamos analisando as consequências para o futuro do MCU. No primeiro momento, os Vingadores como conhecemos não existem mais. Pelo menos não oficialmente. Até a estreia da primeira parte de Guerra Infinita – em 26 de abril de 2018 – muita água pode rolar embaixo dessa ponte. Então vamos brincar de prever o futuro e imaginar os possíveis caminhos que Capitão América e Homem de Ferro, principais figuras do filmes da Marvel, podem seguir até lá.

Começando pelo bandeiroso. Steve Rogers não teve uma vida fácil em Guerra Civil. O Tratado de Sokovia surgiu como um novo desafio aos seus ideais. Defendendo o que acreditava ser certo, teve que enfrentar seus companheiros ao mesmo tempo que ajudava Bucky Barnes, o Soldado Invernal. Na sequência final do filme enfrentou Tony Stark em uma luta cercada dos mais variados sentimentos. É depois dessa luta que ele abandona seu escudo, após ouvir do Homem de Ferro que “não merecia usá-lo”. Então ele parte para libertar seus amigos do #TeamCaptain e faz uma parada em Wakanda para que o Bucky volte a dormir até que sua mente esteja mais clara. Com esses elementos logo pensamos no Nômade, uma das alcunhas que Steve adotou quando se sentiu traído pelos EUA. As principais características são a ausência do escudo e do patriotismo, marcas registradas do personagem.

Mas a princípio parece que o Capitão não abandonou a América, o que nos leva a deixar essa teoria de lado. Nada impede também que T’Challa – o Pantera Negra – tenha construído um novo escudo para Steve, já que Wakanda é o país do Vibranium. Então voltando novamente os olhos para os quadrinhos, temos os Vingadores Secretos. A equipe montada pelo Capitão América surgiu dentro da Guerra Civil e era formada por aqueles que eram contrários ao Registro.

bucky-e-cap22

Após os eventos da Guerra Civil, Bucky assumiu o posto de Capitão América e Steve trouxe os Vingadores Secretos de volta. Não é uma abordagem impossível para o MCU, já que sabemos que o Capitão foi resgatar o Homem-Formiga, a Feiticeira Escarlate, o Falcão e o Gavião Arqueiro. Como fugitivos do governo, eles certamente irão evitar chamar muita atenção. É aí que entram as missões secretas. Antes de partir Steve deixou aquela carta para Tony, onde promete que irá aparecer sempre que seu amigo precisar de ajuda. Não sabemos o que os filmes antes da Guerra Infinita vão mostrar, mas é plausível que o Homem de Ferro dê aquele ligão para o Capitão América, convocando ele e sua equipe para ajudá-lo a enfrentar um tal de Thanos. Afinal, toda ajuda será necessária.

Do outro lado da moeda temos o Homem de Ferro. Assim como Steve, Tony passou por mudanças desde que inaugurou o MCU em 2008. Em Guerra Civil ele carrega o peso de erros passados e das recentes ações ao lado dos Vingadores. Sua vida pessoal também está uma bagunça, o que contribui para que ele torne-se um apoiador do Tratado de Sokovia. Após os eventos do filme, podemos imaginar dois caminhos para ele. O primeiro é onde o terno substitui a armadura. É complicado pensar em Tony Stark como um burocrata engravatado, mas não uma loucura. Não é de hoje que ele manifesta o desejo de deixar a ação de lado e direcionar o foco para outras prioridades. Nos quadrinhos ele já foi o diretor da SHIELD após os eventos da Guerra Civil. No MCU, a mão da agência já não é mais tão pesada, o que pode fazer com que ele assuma outro cargo. Não fica claro como o governo vai tratar a questão dos heróis, então Tony pode agir como um facilitador na vida de seus companheiros de batalha.

capitaoamerica10mar-06

O outro pensamento é que ele vai continuar agindo como Homem de Ferro, liderando assim uma nova formação dos Vingadores. Afinal vamos precisar de uma força de ataque quando Thanos chegar por aqui. Mas existem ainda dois outros elementos na equação de Robert Downey Jr: sua idade e seu contrato. Atualmente o ator está com 51 anos, o que não chega a ser um empecilho. Viver o Ferroso não exige muito fisicamente, diferente do que Hugh Jackman passa com o Wolverine por exemplo. Mas o tempo alcança a todos em algum momento. Em Guerra Infinita – Parte 2 ele estará com 54 anos. Mas se a questão da idade não convence de imediato, vamos ao outro ponto.

Robert faturou uma bolada com a participação em Capitão América: Guerra Civil e já sabemos que ele vai dar o ar da graça em Spider-Man: Homecoming, muito provavelmente como um mentor de Peter Parker. Após isso, só o veremos em Guerra Infinita. O ator declarou recentemente que gostaria de estrelar um Homem de Ferro 4, o que só poderia acontecer em meados de 2020, na fase 4 da Marvel nos cinemas. Mesmo que Robert Downey Jr. seja um dos pilares do MCU, a Disney/Marvel pode não querer depositar mais alguns milhões de Obamas em sua recheada conta bancária.

Dados alguns elementos, em breve teremos que começar a pensar em substitutos para o Homem de Ferro e o Capitão América. Mas isso é assunto para outro texto. O foco agora é aproveitar o caminho até Vingadores: Guerra Infinita.