Fazer um filme de vingança é muito fácil. Pegue um protagonista fodão, some com a perda de um ente querido e finalize com vilões mau encarados. O resultado será seu telespectador desejando que o mocinho vença e mate os caras maus da pior forma possível. Alguns filmes não conseguem ser bons mesmo com uma receita de bolo tão fácil, mas De Volta ao Jogo faz seu trabalho bem feito.

John Wick (Keanu Reeves, voltando para a ação) é um homem rico que ama duas coisas na sua vida: seu carro e sua esposa. Até que ela adoece e morre, como recordação ela lhe dá um cachorro como presente póstumo. John volta a ter um pouco de felicidade quando um grupo de criminosos invade sua casa, roubando seu carro e matando o pobre cachorro (exato, super apelativo). Após perder tudo que tem ele vai atrás de vingança e um segredo sobre seu passado é revelado.

Apesar de ter uma premissa meio boba e apelativa, o filme é bastante divertido. Principalmente pelo absurdo de como o personagem principal é apelão naquilo que faz e como as cenas de ação são bem dirigidas e coreografadas. O longa mais parece um vídeo-game onde o personagem principal vai passando por fases e matando dezenas de inimigos no processo. no meio do enredo existem algumas reviravoltas até legais e o ritmo é muito bom, mas é um filme totalmente “no-brainer”, é uma diversão barata e rápida.

Acertando muito bem nas cenas de ação e falhando no roteiro bobo e personagens caricatos, De Volta ao Jogo é uma ótima diversão para um sábado a tarde onde você está com preguiça até de pensar. Keanu Reeves, apesar de ser um ator limitado, tem uma boa atuação e carisma para filmes de ação.