Mesmo que muitos achem desnecessário, há espaço sim para uma Parte 3 da série La Casa de Papel na Netflix. Provamos isso selecionando algumas abordagens possíveis

Finalmente chegou na Netflix a segunda parte de La Casa de Papel e, por mais que muitos já tivessem visto antes por meios ilegais, o sucesso da série continuou enorme, e a plataforma de streaming continuará colhendo os frutos disso por um tempo.

Caso você ainda não tenha assistido todos os episódios de La Casa de Papel, há spoilers a seguir. Se já viu, venha conosco conjecturar e ser feliz 🙂

1. Novo assalto

Na série, acompanhamos uma operação super elaborada para invadir a Casa da Moeda espanhola e imprimir uma quantia absurda de dinheiro. Pois bem, o que pode ser mais audacioso do que isso em termos de assalto? Não sei, mas to pagando pra ver o Professor colocando sua mente pra trabalhar mais uma vez.

2. Perseguição ao professor

A série terminou com Raquel Murillo (Itziar Ituño) encontrando o Professor (Álvaro Morte) em seu refúgio paradisíaco, mas será que tudo deve ser flores para o casal? Numa eventual Parte 3 de La Casa de Papel, mostrar as consequências do assalto seria um prato cheio para os roteiristas, com as mais loucas perseguições para capturar os bandidos porque, como é de se esperar, as autoridades da Espanha não podem deixar passar batido uma humilhação como essa que eles passaram.

3. O que aconteceu com o grupo

Ao longo dos episódios, aprendemos a amar diversos bandidos como Denver (Jaime Lorente) e Mônica “Estocolmo” (Esther Acebo) que antes era uma refém, a desastrada Tóquio (Úrsula Corberó) e Rio (Miguel Herran), assim como Helsinki (Darko Peric) e Nairobi (Alba Flores).

4. Os reféns

Diversos reféns tiveram papel importante na série. Para a continuação, seria legal revermos algumas figuras como Alison Parker (Maria Pedraza), o odiado Arturo (Enrique Arce) e até a “namorada” de Berlim buscando uma parte do assalto como pagamento por tudo que ela passou nas mãos do maníaco.

5. Professor fazendo escola

Dentre as consequências possíveis para os atos dos justiceiros na primeira e segunda parte de La Casa de Papel, uma delas poderia ser inspirar mais pessoas a cometer crimes bem elaborados, e de como isso pode dar errado na sociedade com outras pessoas metidas a Professor, onde falhariam miseravelmente, colocando a vida de inocentes em risco.

6. Contexto político

E por que não enfiar política no meio desse balaio? A série se passa na Espanha, então há espaço para falar de muita coisa aí: Euro, influência do Brexit, independência da Cataluña… inserir esses elementos na história possibilitaria mais opções para a trama da continuação de La Casa de Papel. As máscaras de Salvador Dalí viraram um ícone na série, poderiam ser usadas como instrumento para manifestações, inclusive.

Confira nossa critica em vídeo da série:

Comentários