A Netflix começa bem o ano com The End of the F***ing World, série de humor negro feita sob medida para os fãs do gênero se apaixonarem

Love is in the f***ing air. James (Alex Lawther) é um adolescente esquisitão que acredita ser um assassino em potencial. Alyssa (Jessica Barden) é a típica “aborrescente” com mil e um sentimentos aflorando, que enxerga na rebeldia resposta para tudo. Os dois se conhecem e está feito o “crush” de The End of the F***ing World, nova série da Netflix feita para você devorar de um gole só.

Adaptada dos quadrinhos de Charles Forsman, pode-se dizer que a série é uma comédia romântica. Mas calma aí quem que já entortou as sobrancelhas para o que eu disse. Ela está longe de seguir a fórmula açucarada que geralmente é lançadas pelos estúdios – a série é do Channel 4, emissora britânica que produziu as primeiras temporadas de Black Mirror. A brincadeira é para você que ri sozinho daquela piada que a maior parte das pessoas acha sem noção.

O romance dos protagonistas está mais para uma desastrada comédia de erros, onde os dois se aproximam cada vez mais um do outro em meio a invasões de residência, morte, roubos e outras coisas do gênero. Os delinquentes, que em grande parte da série se encontram em fuga, parecem uma versão juvenil de Bonnie e Clyde, com a diferença de que eles não têm a menor noção de onde estão se metendo.

A série é perfeita para maratonar. Ela traz apenas oito episódios, todos naquele formato curtinho, de cerca de 20 minutos. O que contribui para prender ainda mais a atenção é o seu ritmo ágil, com uma estética bem descolada e uma trilha sonora irresistível, cheia de hits românticos dos anos 60.

Sobre o elenco, esse é outro acerto. A dupla de protagonistas é muita carismática e possui excelente química em cena. Alex Lawther, que faz o James, atua quase como um zumbi, que vaga pelo mundo interagindo praticamente apenas com seus pensamentos. Ele acerta o tom do personagem dando todo espaço para a jovem e também pouco conhecida atriz Jessica Barden brilhar. A atriz faz uma emburrada Alyssa que, mesmo sendo extremamente antipática, consegue nos cativar com seu jeito sempre despachado e humor ácido.

Indo além da simples comédia, a série adota um formato “diário de adolescente”, onde através de locuções em off dos protagonistas, podemos nos sentir mais próximos de cada um. O que, junto com alguns flashbacks inseridos na trama, contribui para conhecermos mais dos personagens, tornado a investida ainda mais envolvente e divertida.

Aos carentes por uma série para chamar de sua neste começo de ano, taí uma seriezinha que é só amor. Você viverá com ela um romance rápido e, ao terminar, logo estará amando outra série, mas sem dúvida as lembranças  que ficarão é de que o tempo em que passaram juntos valeu a pena.

Comentários