Sabe aquela série que a Netflix despretensiosamente indica e então você se apaixona? Assim foi minha história com Grace & Frankie, uma deliciosa comédia dramática que me faz passar horas no sofá maratonando a trama. A série lançada em 2015 pela Netflix conta a história de Grace (Jane Fonda) e Frankie (Lily Tomlin), que ao chegarem aos 70 anos são surpreendidas pela novidade de que seus maridos Sol (Sam Waterston) e Robert (Martin Sheen) são gays e mantiveram um relacionamento extraconjugal por 20 anos.

A notícia choca toda a família, já que ambas sempre estiveram entrelaçadas devido aos patriarcas serem sócios em um escritório de advocacia e é a partir daí que a história de Grace e Frankie é contada. Grace é imponente, uma mulher de poucas palavras e beleza invejável ─ incrível como Jane Fonda mantém a boa forma aos 79 anos, já Frankie é uma divertida hippie que não liga para os padrões de beleza e procura ter a mente sempre aberta ─ exemplo disso é seu pluralismo religioso. Ela está sempre entrando em contato com novos deuses, menos com o cristão, que ela define como “misógino”.

Por serem tão diferentes, seus conflitos serão dramáticos e muito engraçados, mas a partir deles uma forte amizade surgirá. É impossível ver a série e não pensar no futuro: como reconstruir a vida e recomeçar do zero na terceira idade? De forma divertida, a história consegue mostrar os preconceitos e barreiras que os idosos enfrentam, que vão desde a aceitação de que se está envelhecendo, até a recusa para conseguir um empréstimo nos bancos ─ que não consideram nada a longo prazo para pessoas com mais idade. Além disso, assuntos como família, filhos e o reflexo das atitudes dos pais na vida deles também são tratados com maestria.

Outro tabu que a série vem quebrando é sobre o sexo na terceira idade. Ao contrário do que muitos pensam ou simplesmente não falam, idosos podem sim ter uma vida sexual ativa e saudável. A parceria entre Grace e Frankie é tanta que elas resolvem virar empreendedoras e criam um vibrador pensado especialmente para mulheres idosas, logo após Grace ter uma decepção amorosa com um de seus namorados. Além de trazer o sexo na velhice à tona, elas também abordam a questão do prazer feminino, que é deixado pra trás por muitos homens, que acreditam que sua própria satisfação já é o suficiente para encerrar a noite.

Tantos assuntos polêmicos só poderiam ser tratados de forma natural por uma talentosa equipe, a começar pelo elenco que possui grandes nomes como Martin Sheen ─ pai de Charlie Sheen, e também pela produção, que tem como diretor Tate Taylor ─ conhecido pelo sucesso de Histórias Cruzadas, filme indicado a 4 Oscars. Outra informação interessante é que Lily Tomlin, a Frankie, vive há 42 anos com outra mulher. Apenas a abertura para um elenco veterano que vivencia o assunto tratado já é de suma importância para a representatividade, algo em que muito se fala atualmente.

Espero que essa série te conquiste assim como me conquistou e que você também perceba que a vida só acaba quando queremos, ainda temos muito o que fazer e aprender!

Comentários