InterAnima – Festival de Animação e Interação traz programação internacional para Brasília

Um dos grandes pontos de convergência de produtores, criadores, roteiristas e, principalmente, apaixonados por animação são os festivais. O Brasil, que este ano será homenageado no Festival de Animação de Annecy, na França, já é um conhecido por nossos talentos na área e também por eventos importantes do calendário como o AnimaMundi, que acontece no Rio e em São Paulo. Agora, Brasília ganha uma janela incrível para se encontrar com animação e interagir com elas. É o InterAnima – Festival de Animação e Interação, que acontece entre os dias 2 e 4 de março de 2018, no Teatro da Caixa Cultural.

O InterAnima leva para Brasília 56 produções, entre curtas e longas-metragens, do Brasil e de mais 26 países do Mundo. A ideia é difundir ainda mais a animação no Distrito Federal, propor intercâmbios, experiências e trocas de informação. Organizado pela Sétima Produções, o InterAnima também traz em sua programação atividades que incluem a interatividade. Realidade Virtual com experiências 360°, filmes com experiência imersivas. São criações que permitem às pessoas mergulhar em universos que emulam a realidade ou a mais delirante ficção, utilizando, por exemplo, a ferramenta Tilt Brush, que possibilita a criação de desenhos e esculturas animados dentro da realidade virtual, ou os óculos Gear e Vive, os principais para utilizar realidade virtual.

“Persépolis” (2007), longa de Marjane Strappi e Vicent Paronaud.

Outro ponto importante é a maneira como a programação foi preparada. Curadora convidada desta edição do InterAnima, a cineasta e animadora Nara Normande fez uma seleção que privilegia diferentes técnicas e temáticas. “São filmes que apostam na potência de suas imagens para deslocar o espectador, seja através de produções que extrapolam fronteiras e inovam as linguagens audiovisuais, seja por meio de temas latentes, com destaque para a forte representação feminina”, comenta a curadora.

Um ambiente criativo e de trabalho majoritariamente masculino, a animação vê aumentar gradativamente o número de profissionais mulheres atuando na área. Para dar visibilidade a esse crescimento, o InterAnima privilegiou produções dirigidas por elas, com a presença de 22 animadoras na programação.

“Nimbus, o caçador de nuvens” (diretor Marco Nick)

Ana Arruda, coordenadora e uma das idealizadoras do Festival ao lado de Alexandre Costa, conversou conosco.

ANIMALAND – Vocês já tem a incrível história de produzir o Curta Brasília, e agora mergulham de cabeça em um festival voltado para a Animação? Quais são os atrativos desse segmento e como vocês enxergam a produção nacional de animação?

ANA ARRUDA – Pensamos em realizar um festival de animação em Brasília há cerca de 8 anos, eu e Alexandre Costa (sócio da Sétima Cinema) quando ele lançou uma coletânea de curtas de animação da cidade (Anima Brasília, em parceria com a Ozi) e onde entrei junto na fase de distribuição, exatamente para difundir e valorizar a produção local. Distribuímos para cineclubes, escolas de animação, centros culturais de outras cidades e países também. E enfim essa vontade se realiza agora em 2018 com o Festival InterAnima, somos fãs de animação e achamos que o público de Brasília merece conhecer mais esses filmes. A animação é esse universo fantástico que materializa nosso insconsciente de forma única e tão diversa, tem uma linguagem universal pela imagem e som, a animação tem um aspecto sinestésico que amplia nossa experiência de realidade. E o Festival se torna um pólo, vitrine para esse encontro da arte com o público e realizadores. O Brasil está decolando cada vez mais enquanto referência no mercado de animação, importante expandir os circuitos de exibição para firmar isso.

ANIMALAND – A curadora é Nara Normande, por que ela foi escolhida como curadora e que diferencial dá para um evento contar com alguém nesta importante missão?

ANA ARRUDA – O convite para Nara Normande veio numa busca de um olhar sensível, atento, no lugar de quem está imersa no processo criativo enquanto animadora como no olhar de pesquisadora e artista. Esse contato diário de quem cria animação traz uma proposta apurada de programação e antenada com outros realizadores, beneficiando o público no final com uma programação de qualidade, diversa, provocadora e instigante.

Vemos também a importância de uma busca por diversidade de vozes, de narrativas, de um panorama conectado com o mundo e no viés feminino. Nara captou bem essa nossa proposta. Demos de fato esse destaque para a participação feminina em nosso projeto seja na curadoria, na equipe, no cuidado com a diversidade de gênero e de um aspecto reflexivo sobre temáticas importantes como o cotidiano e desafios de mulheres em diferentes continentes – o que por si promove um diálogo e por vezes empatia com tantos personagens e cenários que passam despercebidos no dia a dia ou sequer sabemos que existem. São 26 países nessa primeira edição, já traz uma amplitude de sotaques e histórias de forma significativa.

ANIMALAND – O que vocês vislumbram para a continuidade deste evento?

ANA TERRA – O intuito do InterAnima é trazer a animação para Brasília em sua amplitude narrativa com uma programação que contemple vários países, uma forma de conectar nossa cidade com o mundo. Dessa forma, esperamos ter em outras edições a vinda de realizadores para esse contato e processos criativos para fortalecer a cena do audiovisual e das artes da capital.

ANIMALAND – Colocar a INTERATIVIDADE dentro do guarda-chuva do festival já é um ingrediente pensando no futuro e no aumento das possibilidades?

ANA ARRUDA – As novas tecnologias estão aí a nosso favor, se soubermos usufruir – a realidade virtual cada vez mais presente também. Nós já somos cyborgs sem perceber com uso de celular, nesse bigData coletivo, redes sociais … e a animação com certeza está passos à frente quando empreendedores dos games mesclam linguagens, artistas experimentam a realidade virtual como tela concreta, onde computadores fazem arte … um festival de animação que nasce em 2018 precisa ter a interatividade como premissa se quiser vislumbrar novos rumos e linguagens. Que seja o primeiro InterAnima, um passo à frente.

Só resta desejar vida longa ao InterAnima em Brasília e para você que está pelo Distrito Federal, confira a programação completa:

2 de março (sexta-feira)

20h: Sessão Laços e Embaraços – 110 min

3 de março (sábado)

14h30: Mostra Surdocine – 60 min

16h: Mostra Brasil – 60 min

18h: Mostra de curtas internacionais I – 65 min

20h: Mostra Desejo e Obsessão – 60 min

4 de março (domingo)

10h: Mostra Infantil I (+ 4 anos) – 45 min

14h30: Mostra Infantil II (+ 10 anos) – 50 min

16h: Mostra Homenagem – Signe Baumane – 70 min

18h: Mostra de curtas internacionais II – 65 min

20h: Sessão Amanhã há de ser outro dia – 115 min

INTERANIMA – FESTIVAL INTERNACIONAL DE ANIMAÇÃO E INTERATIVIDADE

De 2 a 4 de março, no teatro da CAIXA Cultural (Setor Bancário Sul quadra 4 Lotes 3/4). Debates na sala Gente Arteira. Programação gratuita. Os ingressos podem ser retirados a partir de uma hora antes do horário de cada sessão. Acesso limitado à lotação do teatro. Verifique a classificação indicativa de cada sessão. Bilheteria: (61) 3206-6456. Informações: www.facebook.com/interanimafest.

Comentários