O produtor e diretor Gustavo Steinberg antes da exibição de “Tito e os Pássaros” em Annecy,

“Tito e os Pássaros” é o filme brasileiro que nos representa na categoria longa metragem no Festival Internacional de Cinema de Animação de Annecy. Eu tive a alegria, como brasileiro, de poder acompanhar a primeira exibição na programação do evento, na maior sala e ver os conterrâneos Gustavo Steinberg, André Catoto e Gabriel Bitar no palco antes do filme. Niguém escondia a alegria, afinal estar em Annecy já é um prêmio. Ninguém nega. Mas o público com certeza é o premiado maior. A animação brasileira mostra que é possível somar riqueza artística, personalidade no traço que foge dos padrões “hollywoodianos”, uma mensagem importante para crianças e adultos e, sobretudo, ter potencial no circuito comercial.

O filme fala sobre a maior doença das grandes cidades da contemporaneidade: o medo. A mídia é a grande vilã, o que concordo plenamente diga-se de passagem. Tito é um garoto ousado, corajoso e que tem no pai sua motivação maior para mudar tudo. E os pássaros? Bom, aí você vai ter que assistir. “Tito e os Pássaros” tenta manter o bom histórico brasileiro nas premiações em Annecy, junto com outros 8 filmes brasileiros em categorias diferentes.

Durante a coletiva de imprensa perguntei sobre o trabalho artístico manual somado ao digital que é perceptível como um excelente recurso principalmente nos belos cenários. “No filme utilizamos stop motion nas pinceladas feitas em um vidro e com isso criamos um banco de texturas para aplicar em diversos momentos como fumaça, água, fogo etc” respondeu o ilustrador e diretor Gabriel Bitar.

Além da estética e de um bom roteiro de Gustavo Steinberg, Eduardo Benaim e Ataliba Benaim temos vozes de excelentes atores como Matheus Solano e Denise Fraga sob a direção da talentosa Melissa Garcia. Uma das mais importantes profissionais da criação e direção de vozes originais para animação. A trilha sonora é um espetáculo a parte. Criação da dupla Ruben Feffer e Gustavo Kurlat que envolve todo o filme. A utilização de compassos compostos com melodias empolgantes cooperam com o desenvolvimento dos personagens e da história.

Após ver o filme, sei que estamos bem representados. Em tempos de copa do mundo, quem faz o melhor jogo é a animação brasileira. Independente dos títulos, em Annecy esses brasileiros talentosos me fizeram esquecer que o Brasil é o país do futebol. Somos o país da animação.

Assista ao trailer de “Tito e os Pássaros”:

Comentários