Através dos 8 contos de Fragmentos do Horror, podemos adentrar no mundo sombrio e delirante de Junji Ito, onde o horror está sempre à espreita das formas mais inexplicáveis e inusitadas

Junji Ito é um dos mangakas mais notórios do Japão, reconhecido principalmente pelos seus trabalhos no gênero de horror. Com um estilo único, o autor é capaz de tornar qualquer objeto, forma ou ocasião, aparentemente inofensivos, em algo aterrorizante e atormentador. Em Uzumaki, considerada por muitos como sua obra prima, Ito cria uma trama envolta em insanidade que se passa numa cidade assombrada pela forma espiral. Já em Gyo, peixes e outros animais marinhos surgem numa cidade costeira, caminhando com pernas articuladas e atacando os habitantes de forma inexplicável. Com influências lovecraftianas, Ito trabalha o medo do desconhecido de modo magistral em suas obras, contrastando com sentimentos humanos e temas delicados como solidão, obsessão, efemeridade da vida, dentre outros. As histórias soturnas e delirantes são acompanhadas de ilustrações ricamente detalhadas e, em alguns casos, extremamente impactantes, evocando o terror nos cenários mais inusitados. Tudo isso pode ser encontrado em Fragmentos do Horror, uma coletânea de 8 contos que apresenta muito bem o universo e o estilo de narrativa de Junji Ito, abordando o medo do inexplicável em diferentes espectros.

Lançado em 2014 no Japão e apenas em 2017 no Brasil, pela editora Darkside Books, Fragmentos do Horror foi escrito após um intervalo de 8 anos do autor sem escrever contos do gênero. Receoso de que poderia ter perdido o jeito para a coisa, como o mesmo relata no posfácio, Junji Ito entrega uma excelente antologia, sucesso de vendas e crítica. A edição da Darkside Books já impressiona pelo seu acabamento: a capa dura com a enigmática ilustração que remete à célebre pintura “O Grito” de Edvard Munch, repleta de elementos dos contos presentes no livro, ainda com uma camada cromada transparente que representa uma das ilustrações mais lisérgicas de um dos contos. A tradução de Akemi Ono também é um ponto positivo a ser destacado, deixando a linguagem e leitura bem fluida e informativa quando necessário.

O primeiro conto da coletânea, intitulado “Futon”, é uma história curta que foca num casal onde o homem atormentado não consegue sair do seu futon, e aos poucos junto com sua esposa vamos descobrindo os reais motivos daquele pavor e sendo levados a um desfecho dúbio e intrigante. Na segunda história, “Monstro de madeira”, temos uma visitante misteriosa que surge na casa de um senhor e sua filha, e aos poucos vai demonstrando uma atração incontrolável pela residência. Invasão de privacidade e o apego material são temas presentes nesta narrativa. O terceiro conto, “Tomio – Gola rulê vermelha”, é um dos mais curiosos e agoniantes, onde um rapaz está constantemente a ponto de perder a cabeça pela maldição de uma taróloga, porém de uma forma um tanto quanto inusitada. A quarta história, “Suave Adeus” é uma das mais belas da coletânea e relata uma tradição que envolve fantasmas de uma determinada família, tratando de temas como a efemeridade da vida, e a dificuldade em lidar com a morte de entes queridos. O quinto conto, “Dissecação-chan”, nos apresenta a uma garota que tem uma estranha obsessão: ser dissecada. Já em “Pássaro negro”, o sexto conto do livro, temos um viajante em apuros que acaba tendo uma estranha relação com um pássaro na floresta. No próximo conto, “Magami Nanakuse”, temos uma fã fervorosa de uma escritora a qual possui uma obsessão muito peculiar por tiques nervosos. E por fim, temos “A mulher que sussurra”, onde uma garota rica tem um problema de indecisão crônica e seu pai contrata uma mulher soturna para lhe sussurrar tudo o que deve fazer.

Com tramas que beiram o surrealismo em diversos momentos, passando pelo cômico, erótico e escatológico, Junji Ito consegue provocar medo e aflição das mais diversas e inusitadas formas em Fragmentos do Horror. Uma excelente antologia, trazida para o Brasil numa edição impecável pela Darkside Books. Capaz de agradar tanto fãs antigos quanto novos leitores, esta edição é indispensável para qualquer fã do gênero que perceberá que nas obras de Ito, o horror pode surgir de onde menos se espera.

Alguns contos de Fragmentos do Horror foram adaptados para a TV pelo anime Junji Ito Collection que estreou este ano.

Comentários