Com o lançamento de Vidro (Glass), novo filme do diretor M. Night Shyamalan, vamos relembrar o filme que deu início a essa franquia de super poderosos: Corpo Fechado. Vamos revelar alguns pontos da trama para nos lembrar e se preparar para o novo filme.

Corpo Fechado conta a história de David Dunn (Bruce Willys), um segurança de estádio que se torna o único sobrevivente de um acidente de trem. Após esse incidente, ele é procurado por Elijah Price (Samuel L. Jackson), um homem que possui o corpo muito frágil e acredita que Dunn seja uma pessoa com super poderes. A vida de David com seu filho e esposa acaba sendo abalada por causa desse homem misterioso.

Vou iniciar essa crítica dizendo logo que Corpo Fechado é o meu filme favorito de M. Night e um dos filmes favoritos da minha vida. Um dos principais motivos para isso é que sou um fã de quadrinhos e esse filme é, na verdade, uma grande homenagem a essa mídia. Desde o nome do personagem principal com duas iniciais iguais (David Dunn) até o estilo dos personagens, o filme é cheio de semiótica e mensagens subliminares que homenageiam os quadrinhos.

filho de David brincando com bonecos de herói e vilão

Se você notar, o herói da história é Bruce Willys, um homem em boa forma, com o rosto completamente simétrico e se veste de verde, uma cor que remete à natureza, equilíbrio e coisas boas. Já Elijah, revelado como o vilão do filme, tem o corpo todo desproporcional desde seu cabelo até suas vestes. Vestes essas que são da cor roxa, uma cor normalmente usada para vilões e para representar a magia ou mistério. O filme ainda usa o homem de laranja (cor que pode representar o perigo) como um vilão físico para o final da história com o herói, mas o verdadeiro vilão mesmo é O Sr. Vidro, que é o vilão mental. Ele mesmo fala no filme que os arqui-inimigos dos heróis geralmente são o exato oposto deles. Dunn tem o corpo inquebrável e é uma pessoa sem motivação na vida, já Elijah é frágil fisicamente mas com muita determinação e mente poderosa.

Existem outras mensagens interessantes escondidas na fotografia do filme. O personagem de Elijah normalmente é representado através de espelhos ou câmeras em orientações distorcidas, para mostrar sua visão equivocada do mundo. Nessa cena específica o filho de Dunn para exatamente no espaço da espiral no chão, para mostrar que ele está confuso com essa situação.

Corpo Fechado é um filme de drama, suspense mas também é um filme de origem de super-herói. Temos toda a jornada de um herói relutante aqui, a pessoa que não quer aceitar seu papel de herói e ao mesmo tempo está depressivo e desacreditado com seu papel no mundo, seu casameto está falido e ele “acorda todos os dias com algo faltando”, em suas próprias palavras. Só depois que ele age como herói, ou seja, se torna quem ele realmente deve ser, é que ele não sente mais esse vazio.

Apesar de gostar muito do filme, Corpo Fechado não fez muito sucesso com crítica e público no seu lançamento. Eu acredito que isso se dá por dois motivos: o primeiro foi o marketing do filme. É o longa de M Night. logo depois do grande sucesso O Sexto Sentido, então as pessoas estavam esperando algo no mesmo nível e com as mesmas temáticas. Até mesmo o título brasileiro tenta pegar essa onda do sobrenatural com um título que não tem nada a ver com a obra original.

David Dun com olhar triste

O outro motivo para o “fracasso” de Corpo Fechado é o ano em que ele foi lançado. Em 2000 não tínhamos tantos filmes de heróis e esse não era um gênero que tinha se firmado no cinema como é hoje. O que a gente tinha naquela época eram os longas do Batman e X-Men – O Filme. As simbologias e metáforas dos filmes de herói ainda não estavam na cultura pop do modo que estão hoje. Acredito que é por isso que ele decidiu lançar a continuação somente agora, pois esse é o momento mais correto para tal.

Corpo Fechado é um filme que homenageia os quadrinhos de uma forma bem sutil e precisa. É um dos primeiros filmes de super heróis com temas sérios e um dos melhores do gênero ainda até hoje. Seu personagem principal é alguém falho que não é nada fácil de gostar, sendo essa uma das mais ousadas ideias do filme. Um longa que possui uma fotografia muito bem pensada, cheia de símbologias e mensagens escondidas tanto para aqueles que estão no mundo dos quadrinhos, como também as pessoas que estão entrando nesse mundo. Nos anos 2000, com certeza foi bem mais difícil para as pessoas se conectarem ao longa, mas acredito que agora é uma ótima hora para revisitar a obra.